jueves, 5 de febrero de 2015

LA CÉLULA COMO SEMILLA DE UNA NUEVA IGLESIA.

La idea básica del modelo celular es la de “capacitar a los santos para la obra del ministerio”. Dicha capacitación se produce por medio del ejercicio de los dones de cada creyente en el espacio de una reunión pequeña en una casa. La práctica del evangelismo, de la enseñanza y de la comunión permite el desarrollo de las capacidades del creyente para que, luego, pueda desarrollar un ministerio.
Elim se ha convertido en una denominación que posee la mayor cantidad de iglesias fuera de su territorio nacional. Nuestras filiales se extienden por Canadá, Estados Unidos, México, Centroamérica, España, Italia, Bélgica, Suiza y Australia. Solamente en los Estados Unidos existen más iglesias Elim que las que hay en El Salvador. Esta expansión podría pensarse que es el resultado de una ambiciosa estrategia misionera; pero, nada de eso. Todas esas iglesias fueron formadas a partir de la diáspora salvadoreña.
Una diáspora que comenzó con la guerra civil y ahora continúa con la crisis económica y de seguridad. Las personas huyen del país en busca de oportunidades de empleo. Aproximadamente un 30% de la población salvadoreña vive en el extranjero, precisamente en esos países que se mencionaron anteriormente. Entre esas personas iban muchos hermanos que en El Salvador fueron líderes de célula y, consecuentemente, habían sido entrenados para la obra del ministerio. Al llegar a sus países de destino eso fue lo que hicieron: el ministerio. Entendieron que no habían llegado a esas ciudades para ganar el alimento para sus familias sino que a abrir una nueva iglesia. Es así como nacieron nuestras iglesias filiales. No tenemos una estrategia misionera, no tenemos planes de expansión, no tenemos presupuestos para abrir nuevas iglesias. Ellas nacen y se desarrollan comenzando de una sola célula que luego se multiplica múltiples veces. Esos líderes solo siguen haciendo lo mismo que muchas veces hicieron en El Salvador: multiplicar células.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The cell as the seed of a new church.
The basic idea of the cell model is “the perfecting of the saints, for the work of the ministry”. Such training occurs through the exercise of the gifts of every believer in the space of a small meeting in a house. The practice of evangelism, teaching and fellowship allows the development of the believer’s abilities, so that later on he can develop a ministry.
Elim has become a denomination that has the largest number of churches outside its national territory. Our branch churches expand throughout Canada, the US, Mexico, Central America, Spain, Italy, Belgium, Switzerland and Australia. Only in the United States there are more Elim churches than there are in El Salvador. This expansion may be thought to be the result of an ambitious mission strategy; but, it is none of that. All these churches were formed from the Salvadoran diaspora.
A diaspora that started with the Civil War and now continues with the economic and security crises. People are fleeing off the country in search of job opportunities. Approximately 30% of the Salvadoran population lives abroad, precisely in those countries mentioned above. Among those people were many brothers who were cell leaders in El Salvador and, consequently, had been trained for the work of ministry. Upon reaching their destination countries that's what they did: the ministry. They understood that they had not come to these cities to earn food for their families, but to open a new church. This was how our branch churches were born. We don’t have a mission strategy, we don’t have plans for expansion, and we have no budget to open new churches. These are born and developed starting from a single cell which is then multiplied many times. Those leaders just keep on doing the same thing they often did in El Salvador: multiply cells.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

A célula como a semente de uma nova igreja.
A ideia básica do modelo celular é “o aperfeiçoamento dos santos, para o trabalho do ministério”. Parte desse “aperfeiçoamento” ocorre através do exercício dos dons de cada crente no espaço de uma pequena reunião em uma casa. A prática do evangelismo, do ensino e do companheirismo ajuda no desenvolvimento de cada crente que, mais tarde, pode desenvolver um ministério.
Elim tornou-se uma denominação que tem mais igrejas fora do seu território nacional. Nossas igrejas filiais expandiram-se por todo o Canadá, EUA, México, América Central, Espanha, Itália, Bélgica, Suíça e Austrália. Nos Estados Unidos existem mais igrejas Elim do que há em El Salvador. Você pode pensar que a expansão da nossa igreja é o resultado de uma ambiciosa estratégia missionária, mas, na realidade, isso não é verdade. Todas essas igrejas foram formadas como resultado da diáspora de El Salvador (a dispersão do povo de El Salvador por todo o mundo).
Essa diáspora começou com a Guerra Civil em El Salvador e agora continua com as crises da economia e da segurança. As pessoas estão fugindo do país em busca de oportunidades de trabalho. Cerca de 30% da população de El Salvador vive no exterior, precisamente nesses países mencionados acima. Entre essas pessoas que partiram estavam irmãos e irmãs em Cristo que eram líderes de células em El Salvador e, consequentemente, tinham sido treinados para o trabalho do ministério. Ao chegar a seus países de destino, eles naturalmente iniciaram grupos de células, uma vez que esta era a sua vida e ministério. Eles entenderam que não tinham ido a essas cidades para ganhar comida para suas famílias, mas para abrir uma nova igreja. Foi assim que nossas igrejas filiais nasceram. Nós não temos uma estratégia missionária, não temos planos de expansão, e não temos orçamento para abrir novas igrejas. Estas nascem e se desenvolvem a partir do início de uma única célula que então é multiplicada muitas vezes. Os líderes apenas continuam fazendo a mesma coisa que fizeram muitas vezes em El Salvador: multiplicar células.