jueves, 17 de julio de 2014

EVOLUCIÓN DE UNA RUTA.

Cuando Elim hizo su transición para convertirse en una iglesia celular, de inmediato se percibió la necesidad de contar con un curso de capacitación de líderes. Nuestra primera Ruta del Líder era extremadamente corta y simple. Solamente eran 4 lecciones que se completaban en un mes. Pero eso tenía su sentido. Elim ya era una iglesia de 3,000 miembros cuando hizo su transición. Consecuentemente, tenía bastantes personas maduras en la fe que no necesitan mas que unas pocas instrucciones para desempeñarse como líderes.
No obstante, cuando esa base inicial se agotó pronto percibimos la necesidad de mejorar nuestra Ruta. Poco a poco se fueron añadiendo nuevas lecciones. Pero, el propósito de la Ruta era siempre el de capacitar a los creyentes para formarlos como líderes. Es decir que siempre partíamos de personas que ya eran discípulos de Jesús.
Así logramos caminar unos años más, pero luego el ritmo de multiplicación descendió. Entendimos entonces que la Ruta debía comenzar con la conversión y culminar con el liderazgo. En lo personal, revisé otros modelos de rutas de otras iglesias. Pero el problema común era que se traba de materiales poco relacionados con nuestra cultura. De hecho, ninguno de ellos era de un autor latinoamericano.
Fue así como decidimos elaborar nuestra propia Ruta del Líder que ahora va de la conversión hasta el liderazgo presentando los temas de manera sencilla y práctica para nuestra cultura.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Evolution of a Route.
When Elim made ​​its transition to become a cell church, we saw immediately the need of having a training course for leaders. Our first Leader’s Route was extremely short and simple. There were only 4 lessons that were completed in a month. But there was a reason for that. Elim was already a 3,000 member’s church when it made its transition. Consequently, it had enough mature people in the faith that did not need more than a few instructions to perform as leaders.
However, when that initial base ran out soon we perceived the need to improve our route. Little by little new lessons were added. But the purpose of the route was always to train the believers to become leaders. In other words, we always started with people who were already disciples of Jesus.
Thus, this was how we managed to walk for a few years, but then the multiplication rate dropped. Then we understood that the route should start with conversion and end with leadership. Personally, I checked other models of routes from other churches. But the common problem was that these materials did not relate to our culture. In fact, none of them was from a Latin American author.
That was how he decided to produce our own Leader’s Route which goes from the conversion to the leadership presenting the themes in a simple and practical way for our culture.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Como equipar nosso discipulado evoluiu o percurso.
Quando Elim fez sua transição para se tornar uma igreja em célula, nós vimos imediatamente que precisávamos ter um curso de formação para os líderes. Nosso primeiro percurso para líderes era extremamente curto e simples. Tinha apenas quatro lições que eram completadas em um mês. Mas tinha uma razão para isto. Elim já tinha 3.000 membros quando fizemos a transição. Consequentemente, já tínhamos um número suficiente de pessoas maduras na fé que não precisavam mais do que poucas semanas de instrução para se tornarem líderes. 
Entretanto, quando esta base inicial se esgotou, logo descobrimos que precisávamos melhorar nosso percurso. Pouco a pouco novas lições foram adicionadas. Mas o propósito do Curso era sempre o mesmo, treinar cristãos para se tornarem líderes. Em outras palavras, nós sempre começamos com pessoas que já eram discípulas de Jesus. Foi assim que administramos por muitos anos, mas logo percebemos que o índice de multiplicação de células começou a cair. Então percebemos que precisávamos de um novo curso de formação, equipar o discipulado para que começasse com a conversão e terminasse com a liderança.
Eu verifiquei outros percursos de discipulado de diferentes igrejas, mas um problema era comum em todos eles, o material não estava relacionado a nossa cultura. De fato nenhum desses cursos de formação eram de um autor da América Latina. Então decidimos produzir nosso próprio material de formação de Líderes, o qual levaria a pessoa da conversão para liderança. Nós fizemos  questão que nosso material fosse apresentado de maneira simples e prática, destinado para uma audiência latino- americana. 

jueves, 10 de julio de 2014

UNA RUTA SIMPLE

Por varios años había escuchado que una de las mejores Rutas del Líder que había en el mundo era la de Little Falls Christian Centre del pastor Harold Weitsz en Sur África. En varios países había escuchado que se trataba de una excelente Ruta del Líder que otras iglesias celulares habían adoptado.
Para mi sorpresa, unos años después, el mismo pastor Harold Weitsz decidió invitarme para que enseñara sobre el trabajo celular en su iglesia de Johannesburgo. Durante uno de los días de enseñanza nos encontrábamos en su oficina cuando viéndome a los ojos me dijo: -Me gustaría conocer su Ruta del Líder-
Yo sabía que él tenía una de las mejores rutas del planeta y la nuestra era en realidad un curso corto y sencillo. En verdad, me daba pena que conociera nuestra ruta ya que de seguro él buscaba algo mejor que lo que ya tenía. Traté de excusarme diciéndole: -Nuestra ruta es muy simple, no es algo tan elaborado-
Mi sorpresa fue que él dijo como si fuera un gran descubrimiento: -¡Simple! ¡Eso es lo que se necesita! ¡Algo que sea muy simple!-
Luego comenzó a contarme como él pensaba que una de las dificultades de su ruta era que no era lo suficientemente simple como para dar los resultados esperados. Después de eso, ya no insistió en conocer nuestra ruta. Creo que ya había encontrado lo que deseaba: la palabra “simple”. Después de esa conversación con el pastor Harold Weitsz comprendí que un principio fundamental de la ruta es que se debe conservar sencilla y ya no me sentí tan apenado de nuestra ruta simple. Se necesita algo práctico, fácil y que entregue a los nuevos creyentes los elementos básicos del trabajo celular sin complicaciones.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

A simple route.
For several years I had heard that one of the best leader’s Routes in the world was Little Falls Christian Centre of Pastor Harold Weitsz in South Africa. In several countries I heard this was an excellent leader’s Route that other cell churches had adopted.
To my surprise, a few years later, the same Pastor Harold Weitsz decided to invite me to teach about the cell work at his church in Johannesburg. During one of the days of the teachings, we were in his office and looking right into my eyes he said: -I would like to know your Leader’s Route–
I knew he had one of the best routes on the planet and ours was actually a short and simple course. I was truly embarrassed to show him our route since he surely was looking for something better than what he already had. I tried to excuse myself saying: -Our Route is very simple; it is not as elaborated –
My surprise was that he replied as if it were a great discovery: -Simple! That's what we need! Something that is very simple! -
Then he began to tell me how he thought that one of the difficulties of his Route was that it was not simple enough to deliver the expected results. After that, he no longer insisted on knowing our route. I think he had found what he wanted: the word “simple”. After that conversation with Pastor Harold Weitsz, I realized that a fundamental principle is that the Route should be kept simple, and I didn’t feel so embarrassed anymore for our simple route. You need something practical and easy that delivers to the new believers the basics of cell work without complications.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Uma Rota Simples.
Por muitos anos eu ouvi que uma das melhores Rotas de Líderes (equipagem de discipulado) no mundo era Little Falls Christian Centre do Pastor Harold Weitsz na África do Sul. Em muitos países ouvi que era uma excelente Rota de Líderes que outras igrejas em células adotaram.
Para a minha surpresa, alguns anos mais tarde, o mesmo pastor Harold Weitsz decidiu me convidar para ensinar sobre o trabalho em célula na sua igreja em Joanesburgo. Durante um dos dias da conferência, estávamos no seu escritório e ele me olhou dentro dos olhos e disse: “Gostaria de saber sobre sua Rota de Líderes”. Eu sabia que ele tinha uma das melhores rotas do planeta e a nossa era na verdade um caminho simples e curto. Estava envergonhado de mostrá-lo nossa rota visto que ele estava procurando algo melhor do que ele já tinha. Eu tentei me esquivar dizendo: “Nossa Rota é muito simples; não é muito elaborada”.
Minha surpresa foi que ele respondeu como se fosse uma grande descoberta: “Simples! É disso que precisamos! Algo muito simples!” Ele disse.
Então ele começou a me falar como ele pensava que uma das dificuldades da Rota dele era que não era simples o suficiente para entregar os resultados esperados. Depois disso, ele não mais insistiu em saber da nossa rota. Eu acho que ele encontrou o que ele queria: a palavra “simples”. Depois daquela conversa com o Pastor Harold Weitsz, percebi que um princípio fundamental é que a Rota deve ser mantida simples, e eu não me sinto mais tão envergonhado pela nossa simples rota. Você precisa de algo prático e fácil para entregar aos novos converstidos, o básico do trabalho em células sem complicações. 

jueves, 26 de junio de 2014

CONTENIDOS DE LA RUTA DEL LÍDER.

Cuando una iglesia hace su transición para convertirse en una iglesia celular, selecciona a sus futuros líderes de entre los miembros maduros que ya posee. Esa será una reserva de donde se tomará el recurso humano que se vaya necesitando en los próximos tiempos. Pero, tarde o temprano, ese recurso terminará. Entonces, la iglesia se verá en la necesidad de acudir a otra fuente. Por su misma naturaleza, la iglesia tendrá que poner su mirada en los nuevos creyentes.
Se llega así a un momento cuando es necesario tomar a los nuevos creyentes y llevarlos a comprometerse como nuevos líderes. La Ruta del Líder se convierte en el camino natural que todo nuevo cristiano debe transitar para llegar a ser usado en ese campo.
La Ruta del Líder adquiere así su doble función: es el instrumento para atención de los nuevos creyentes al mismo tiempo que el curso de entrenamiento para nuevos líderes. En nuestro caso, la Ruta se divide simétricamente en esas dos partes. En la primera, se ven temas como la salvación, la Biblia, la oración, el bautismo en agua. En la segunda, se reciben contenidos como ¿qué es una célula? ¿cómo se multiplica? ¿cómo se invitan amigos? Etc.
La Ruta del Líder toma cuidado de un nuevo creyente desde el momento de su conversión y le va llevando semana a semana hasta convertirlo en un nuevo líder de célula. Por supuesto, el paso de la primera a la segunda parte no se anuncia y es imperceptible. Eso contribuye a que el candidato vea el hecho de convertirse en líder como la extensión propia de la vida cristiana. En verdad, de eso se trata. Que todo creyente vea el convertirse en un líder como la consecuencia natural de su fe.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Contents of the Leader’s Route.
When a church makes its transition to become a cell church, it selects its future leaders among the mature members it already has. That will be a reserve from which the human resource that is needed in the near future will be taken. But sooner or later that resource will end. Then, the church will be in the need to go to another source. By its very nature, the church will have to put its eyes on the new believers.
This brings us to a time when you need to take the new believers and bring them to commit themselves as new leaders. The Leader’s Route becomes the natural path that every new Christian should take to become useful in this field.
The Leader’s Route, thus, acquires its double function: it is the instrument for the care of new believers, as it is the training course for new leaders. In our case, the Route is symmetrically divided into those two parts. In the first one, themes such as salvation, the Bible, prayer and baptism in water, are seen. In the second one, contents such as: What is a cell? How does it multiply? How to invite friends? Etc., are received.
The Leader’s Route takes care of a new believer from the moment of his conversion and leads him week by week until making him into a new cell leader. Of course, the transition from the first to the second part is not announced, and it is imperceptible. That contributes for the candidate to see the fact of becoming a leader as the proper extension of the Christian life. That is actually what it is all about, that every believer may see that becoming a leader is a natural consequence of his faith.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Quais São os Conteúdos da Rota de Equipagem?
Quando uma igreja faz a sua transição para se tornar uma igreja em células, ela seleciona seus futuros líderes dentre os membros maduros que ela já tem. Esta reserva de liderança sustenta a igreja a curto prazo. Entretanto, esses que já são maduros são limitados. Logo este reservatório acabará, e a igreja precisará encontrar líderes em uma fonte diferente. A igreja precisará começar a olhar para os novos convertidos que eventualmente amadurecerão e se tornarão os futuros líderes. A Rota da Equipagem se tornará o caminho natural que todos os crentes na igreja tomarão para se tornarem ministros.
A Rota da Equipagem começará a desenvolver uma função dupla. De um lado ela discipulará todos aqueles na igreja mas do outro lado, preparará os futuros líderes da célula. No nosso caso, a Rota é dividida simetricamente dentro dessas duas partes. A primeira parte da nossa rota de equipagem foca em temas como salvação, a Bíblia, oração e batismo nas águas, e mais. Os temas de destaque são o que é a célula, como ela se multiplicam, como convidar amigos e mais.
A rota de Equipagem começa com o processo de discipulado desde o momento que a pessoa se torna um crente e continua semanalmente até que esta pessoa se torne líder de célula. É claro que a transição da primeira para a segunda parte não é anunciada, e é imperceptível. Temos desenvolvido propositalmente nossa equipagem dessa forma para inculcar em cada crente que a liderança é um processo natural e parte normal da Vida Cristã. Cremos que a “vida Cristã normal” é para todos se envolverem na liderança e no ministério de células. 

jueves, 19 de junio de 2014

¿POR QUÉ UNA RUTA DEL LÍDER?

El ideal de toda iglesia celular es que cada uno de sus miembros llegue a convertirse en un líder en algún momento. Para lograr ese objetivo, hay que partir de la necesidad que cada persona posee de ser capacitada en la tarea del liderazgo. Las enseñanzas sobre las dinámica celular no son complicadas pero sí necesarias. Por ser sencillas, no pueden estarse repitiendo todo el tiempo en la iglesia y por ser necesarias no pueden dejarse de enseñar. Es necesario entonces crear un mecanismo diferente a las celebraciones que permita tanto la enseñanza como su reiteración.
Es importante considerar que la manera en que una persona es formada determinará su desempeño futuro. Una formación deficiente, dificultará el trabajo de un líder e incrementará la dedicación que el supervisor debe invertir en él. Por el contrario, una persona bien capacitada, pudiera caminar bien sin necesidad de mayores apoyos.
Por estos motivos es que se debe desarrollar un mecanismo bien definido para otorgar esas enseñanzas no complicadas pero necesarias y que deben estar expuestas de manera clara. Es así como se llega a lo que llamamos la Ruta del Líder. Es una “ruta” porque indica el camino que se debe transitar para reunir los elementos esenciales del trabajo celular. Y es “del líder” porque su propósito específico es el de capacitar líderes.
Solamente teniendo un camino definido, una iglesia podrá estimular a su miembros a conocer los elementos básicos del trabajo. Es un parámetro que indica la posición en que cualquier persona se encuentra en un momento dado. Así, se convierte en un instrumento muy valioso.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Why a leader’s route?
The ideal of every cell church is that every member gets to become a leader at some point. To achieve that goal, we must start with the need that each person has to be trained on the task of leadership. The teachings on cell dynamics are not complicated but they are necessary. Because they are simple, they cannot be repeated all the time in the church and because they are needed you cannot stop teaching them. It is therefore necessary to create a mechanism different from the celebrations that allow both teaching and its reiteration.
It is important to consider that the way how a person is educated ​​will determine his future performance. Poor training will make the job of a leader difficult and will increase the dedication that the coach will have to invest in him. By contrast, a well-trained person could be able to walk without needing too much support.
For these reasons, a well-defined mechanism should be developed to impart these uncomplicated but necessary lessons that should be clearly exposed. Thus, it comes down to what we call the Leader’s Route. It is a "Route or path" because it indicates the path through which you must go in order to meet the essential elements of cell work. And it is the "leader’s” route, because its specific purpose is to train leaders.
Only with a defined path a church will be able to stimulate its members to learn about the basics of the cell work. It is a parameter that indicates the position in which any person is at any given time. This is how it becomes a very valuable tool.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Porque ter uma rota de equipagem?
O ideal para uma igreja em células é que cada membro se levante como líder em determinado momento. Para alcançar este objetivo, a igreja deve iniciar com o treinamento. Isto é, o objetivo é treinar cada pessoa para o ministério e liderança. Os ensinamentos nas dinâmicas da célula não são complicados, mas são necessários. Por serem simples, eles não podem se repetir sempre na igreja, e por serem necessários, você não pode parar de ensiná-los. Faz-se então necessário criar um mecanismo distinto das celebrações que permita tanto ensino como repetição.
A forma como a pessoa é educada determinará a sua performance futura. Treinamento pobre tornará o trabalho do líder difícil e aumentará o trabalho do treinador desse líder. Em contrapartida, uma pessoa bem treinada deve ser capaz de ministrar sem a necessidade de muito suporte.
Por essas razões, um mecanismo bem definido deve ser desenvolvido para transmitir essas lições simples mas necessárias. Desse modo, tudo se resume ao que chamamos de Rota do Líder. É uma rota ou caminho porque indica a direção que a pessoa deve viajar para entender os elementos essenciais do ministério em célula. E é a rota do “líder”, porque o propósito específico é treinar líderes.
Apenas quando uma igreja tem um caminho claramente definido os membros estarão preparados para o ministério em células. Isto também pode ajudar uma igreja a saber o progresso de qualquer membro da igreja em um momento específico. A rota da equipagem, então, é uma ferramenta valiosa. 

jueves, 5 de junio de 2014

LAS CÉLULAS Y LOS VECINDARIOS.

Un día por la tarde fui a visitar a un amigo de hace muchos años en un barrio populoso de El Salvador. Mientras platicábamos comencé a escuchar cantos cristianos de una reunión cercana. Me asomé por la ventana para ver y mi amigo me explicó que se trataba de una célula que realizan casi frente a su casa. Hasta ese momento caí en la cuenta que era sábado, el día en que nuestras células se reúnen.
Mi amigo me explicó que más tarde comenzaría la otra célula un poco más abajo. -¿Cuál otra célula?- Le pregunté. Entonces me explicó que para no interferirse, los hermanos habían acordado horarios diferentes para realizar sus reuniones. Entonces le pregunté por qué no hacían la otra reunión en otra calle. Él me explicó que en las otras calles también había células. Después de detallarme las cosas comprendí que el barrio estaba totalmente tomado por las células y que ellas son parte de la vida de la comunidad. Las personas ven completamente normal que cada semana se realicen las reuniones en las casas de sus vecinos. Las personas son invitadas, los niños asisten a sus células, las personas saben adonde pueden encontrar oración y orientación.
Después de 27 años de trabajo celular, hay nuevas generación que están naciendo en esas comunidades donde las células son parte integrada de la vecindad. Las células son parte de las características del barrio. Una cultura nueva de qué es la iglesia se está fraguando en la ciudad. Cuando los vecinos vayan siendo alcanzados por la gracia del Señor, irán añadiéndose a una iglesia que ve como completamente normal el reunirse en las casas. Estas nuevas personas lo saben aun antes de su conversión y consideran las reuniones en las casas como parte del “ser” cristiano.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS.

Cells and neighborhoods.
One day in the afternoon I went to visit a friend of many years in a crowded neighborhood of El Salvador. As we talked I started listening to Christian songs from a nearby meeting. I looked out the window to see and my friend explained to me that this was a cell that gathers almost in front of his house. Up until then I realized it was Saturday, the day when our cells gather.
My friend told me that later on the other cell that was down the street would start. - What other cell? - I asked. Then he explained to me that in order to avoid interfering with one another, the brethren had agreed on having different schedules for their meetings. Then I asked why they didn’t do the other meeting on another street. He explained that in the other streets there were also other cells. After he detailed how things were I realized that the neighborhood was completely taken up by cells and that they are part of the community’s life. People see it as something completely normal that every week meetings are conducted in the homes of their neighbors. People are invited, children attend to their cells and people know where they can find prayer and guidance.
After 27 years of cell work, new generations are being born in those communities where the cells are an integral part of the neighborhood. The cells are part of the neighborhood’s characteristics. A new culture of what the church is, is being forged in the city. As neighbors start being reached by the grace of God, they will be added to a church that sees the meetings in homes as something completely normal. These new people know this even before their conversion and consider the meetings in homes as part of the Christian being.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Células e Vizinhanças.
por Mario VegaUm tempo atrás, fui visitar um amigo de longa data em uma vizinhança populosa de El Salvador. Enquanto conversávamos, ouvi o som de músicas cristãs de uma reunião próxima da onde estávamos. Eu olhei pela janela para ver o que estava acontecendo e meu amigo me explicou que os cânticos vinham de uma célula que se reunia quase na frente de sua casa. Então me toquei que era Sábado, a noite que as células de Elim acontecem.
Meu amigo então falou que outra célula iria começar logo, descendo a rua de sua casa. Eu perguntei a respeito desta “outra célula”, e ele me disse que esta nova célula tinha multiplicado-se para a rua debaixo e que este grupo iria se reunir em um horário um pouquinho diferente, para que não interferisse na célula que já estava acontecendo. Então perguntei por quê a nova célula não se reunia em outra vizinhança, e meu amigo me explicou que já tinham outras células se reunindo nas vizinhanças aos redores. Depois de conversar com ele, entendi que todas as vizinhanças ao redor de sua casa estavam completamente cheias de células da Elim.  As pessoas vêem as reuniões de células como algo completamente normal, toda semana reuniões são conduzidas nos lares da vizinhança. Pessoas são convidadas, crianças frequentam, e todos sabem onde podem encontrar oração, refúgio e ajuda.
Depois de 27 anos de trabalho com células novas gerações estão nascendo nessas comunidades onde as células são uma parte integrada à vizinhança. As células são parte do quadro e da cultura da vizinhança. Ou seja, uma nova cultura, a cultura de Cristo está sendo forjada na cidade. Enquanto vizinhos alcançam e ganham pessoas, elas são integradas nas células e elas vêem a vida celular como normal e natural. Na verdade, mesmo antes de se converterem, os vizinhos já escutam e testemunham as atividades da célula. Depois de suas conversões passam a estar conectados com o Corpo Vivo de Jesus Cristo.

jueves, 22 de mayo de 2014

TODO SANTO UN LÍDER

“Cada casa una iglesia, cada miembro un ministro”. Eso era lo que decía la pancarta arriba de la entrada principal del auditorio donde se realizaría la Conferencia Anual de Iglesias Celulares de 2012 en Brasil. El lema es impactante, porque refleja con bastante precisión la visión de la iglesias celulares.
No obstante, se sabe que una visión es el sueño último que una persona o entidad persiguen. Probablemente no se alcance plenamente, pero permite caminar hacia esa meta lo más que se puede. Ciertamente el ideal de una iglesia celular sería que toda casa de sus miembros alojara una célula y que todo miembro fuese un líder. Pero, en la realidad, solo se puede tener un poco de ese sueño.
Cuando Elim hizo su transición para convertirse en una iglesia celular, se acordó que toda persona que recibiría una función en la iglesia local debería cumplir el requisito de ser líder. Esa norma se mantuvo por varios años. Después nos dimos cuenta que por razones de trabajo, estudio u otros, no todas las personas podían asumir una responsabilidad de líderes pero sí podían desarrollar sin problemas sus funciones en la celebración. De manera que hace ya un tiempo, flexibilizamos la norma y no exigimos más ser un líder sino solamente estar activo dentro del trabajo celular para poder aspirar a una función en la celebración. Estar activo significa desde ser líder hasta ser un miembro persistente que lleva invitados a una célula.
Aunque el ideal nos lleva a soñar con ver a todo santo convertido en líder, la realidad práctica nos deja ver que eso no siempre es posible. No todas las personas en una iglesia celular serán líderes. Y no faltarán aquellas personas que tampoco desean involucrarse en el trabajo de las células. Pero, el cuerpo de Cristo es tan variado que hay un lugar para todos. Los dones son muchos y los necesitamos a todos para complementarnos.
“Cada casa una iglesia, cada miembro un ministro” puede ser una utopía. Pero, las utopías no tienen como propósito señalar hacia un imposible. Su propósito es indicar el horizonte hacia el cual caminamos. Aunque no lo alcancemos plenamente, nos anima a caminar.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Every saint a leader.
"Every house a church, every member a minister.” That was what the banner above the main entrance to the auditorium where the Cell Churches Annual Conference of 2012 held in Brazil said. The motto is striking because it reflects quite accurately the vision of cell churches.
However, it is known that a vision is the ultimate dream that a person or entity pursues. Probably it will not be fully achieved, but it allows us to walk towards that goal as much as we can. Certainly the ideal of a cell church would be that every member’s house would host a cell and that every member would be a leader. But in reality, you can only have a bit of that dream.
When Elim made ​​the transition to become a cell church, we agreed that everyone who would exercise a function in the local church would have to meet the requirement of being a leader. That rule was kept for several years. Then we realized that due to work, study or other things, not everyone could assume the responsibility of being a leader but they could develop their functions without a problem in the celebration. Thus, since a while ago we made the rule more flexible and we now require to be active within the cell work and not to be a leader if a person aspires to have a role in the celebration. The meaning of being active goes from being a leader to being a persistent member who brings guests to a cell.
Although the ideal leads us to dream of seeing every saint become a leader, the practical reality reveals to us that this is not always possible. Not everyone in a cell church will be a leader. And there will always be people who don’t want to get involved in the cell work. But the body of Christ is so diverse that there is a place for everyone. The gifts are many and we need them all to complement each other.
"Every house a church, every member a minister" could be a utopia. But utopias are not intended to point towards an impossible. Its purpose is to indicate the horizon toward which we walk. Although we do not fully achieve it, it encourages us to walk.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Todo Santo um Líder, Toda Casa uma Igreja.
“Toda casa uma igreja e todo membro um ministro”. Este foi o tema da Conferência de Igreja em Células de 2012 no Brasil, e de fato estas palavras estavam proclamadas em um banner em cima da porta de entrada da conferência. O lema é impressionante, pois reflete com bastante precisão a visão de igrejas em células. No entanto, como em tantas visões, este tema/visão específicos não será cumprido 100%. Pelo contrário,  nos ajuda a caminhar em direção a um objetivo desejado e nos desperta para tentar cumprir essa meta, tanto quanto possível. Certamente a ideia de uma igreja em células é que a casa de todos os membros seja uma “casa anfitriã” e que cada membro seja um líder de célula. Entretanto, na realidade, só vamos realizar este sonho parcialmente.
Quando Elim fez a transição para se tornar uma igreja em célula, nós concordamos que todos que exerciam um ministério ou função na igreja local teriam de exercer a função de ser um líder de célula. Nós mantivemos esta regra por muitos anos. No entanto, percebemos que por conta de trabalho, estudos ou outras questões, nem todas as pessoas poderiam assumir a responsabilidade de se tornar um líder de célula afim de ajudar em outros ministérios na igreja. Sentimos a direção de nos tornarmos mais flexíveis com esta regra, e por muitos anos, até hoje, nós permitimos pessoas que são envolvidas ativamente na célula, mas não necessariamente líderes de um grupo, se envolverem nos outros ministérios da igreja. Quando dizemos “ativamente” queremos dizer pessoas que regularmente atendem e participam da célula, mas não necessariamente a lideram.
Embora o ideal nos incline a sonhar em ver todo crente um líder de célula, nós também sabemos que a realidade prática é muito diferente. Nem todos dentro de uma igreja em células vão ser líderes, e na verdade, terão sempre pessoas que não querem se envolver no ministério de células. Mas o corpo de Cristo é tão diverso que sempre terá lugar para todos, e os dons do Espírito Santo nos mostram que precisamos de todos no corpo de Cristo e que cada um se complementa.
“Toda casa uma igreja, todo membro um ministro” é com certeza uma utopia desejada. Entretanto utopias não são intencionadas para apontar coisas impossíveis. O propósito delas, na realidade, é nos mostrar o horizonte e apontar para uma direção desejada. Vamos andar em direção a esta entusiasmada visão enquanto realizamos que nunca vamos cumprila por completo. 

viernes, 9 de mayo de 2014

INTEGRANDO LA ESCUELA DOMINICAL

Con cierta frecuencia he escuchado que adoptar el modelo celular significa que las iglesias deben deshacerse de todos los ministerios que posee antes de la transición. Pero, tal idea, está bastante alejada de la realidad. Puedo poner como ejemplo el tema de la Escuela Dominical desde mi posición privilegiada de responsable de dos iglesias.
Comienzo por la iglesia donde inicié mi ministerio en la ciudad de Santa Ana. Antes de la transición al modelo celular la iglesia contaba con su escuela dominical. Al adoptar el modelo celular continuamos con ese ministerio y al construir nuestro edificio lo hicimos con su área de aulas para atender a los niños. La escuela dominical en Santa Ana siempre fue muy organizada. Un elemento clave en ello es la pareja de hermanos responsables de dirigirla. Tarea que han hecho ya por bastantes años con mucha eficiencia. La iglesia se convirtió en celular y actualmente sobrepasa los 10,000 miembros. Hace unos meses tuvimos que construir un nuevo edificio con más aulas para atender a la creciente congregación. Pero la escuela dominical marcha de la mano con el modelo celular. En las células infantiles se atiende a los niños en casas y en el edificio se les atiende en las aulas de escuela dominical.
En el caso de San Salvador, las cosas fueron diferentes. Una de las razones fue el explosivo crecimiento y, el otro, la manera en que se gobierna la iglesia teniendo responsables por distrito y no a nivel de toda la congregación. A mi llegada en el año de 1997 el edificio de aulas era insuficiente y no existían las condiciones adecuadas para la enseñanza. Al planear la construcción de un edificio adecuado para atender a la cantidad de niños que asistían, me fui de espaldas cuando los arquitectos me dijeron que necesitábamos un edificio de 200 aulas y, adicionalmente, debíamos ir añadiendo nuevas aulas cada año en razón del crecimiento.
Fue entonces que decidimos invertir las cosas: realizar la enseñanza bíblica en las casas y en la iglesia un auditorio grande para la celebración infantil. Un modelo que siguen algunas iglesias celulares. Lo que intento expresar es que los ministerios pueden integrarse exitosamente al trabajo celular. En el caso de Santa Ana tenemos una escuela dominical tradicional funcionando saludablemente en coordinación con el modelo celular y en San Salvador tenemos un modelo típicamente celular para la enseñanza de los niños. Se trata de ser creativos y no desechar solo por desechar.



TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Integrating Sunday school.
Quite often I have heard that adopting the cell model means that churches should get rid of all the ministries they have before the transition. But such an idea it is quite unrealistic. I can give as an example the Sunday school from my privileged position as one responsible for two churches.
I will start with the church where I began my ministry in the city of Santa Ana. Before the transition to the cell model the church had its Sunday school. We continued with that ministry after adopting the cell model and when we built our premises we included the area for classrooms to attend children. Sunday school in Santa Ana was always very organized. A key element in this is the couple responsible for directing it. A task they have performed for many years with great efficiency. The church became a cell church and now exceeds 10,000 members. A few months ago we had to construct a new building with more classrooms to attend the growing congregation. But Sunday school marches hand in hand with the cell model. Children are attended in the houses in children cells and in the building they are attended in the Sunday school classrooms.
Things were different in San Salvador. One reason for this was the explosive growth and the other was the way the church is governed through a person responsible for each district and not for the whole congregation. Upon my arrival in the year 1997, the classroom building was inadequate and there were no proper teaching conditions. When planning the construction of a suitable building to attend the number of children that were coming, I was shocked when the architects told me we needed a building of 200 classrooms and that additionally we had to be adding new classrooms each year because of the growth.
It was then that we decided to invert things: give the biblical teaching in the houses and in the church have a large auditorium for the children’s celebration. A model followed by some cell churches. What I'm trying to express is that ministries can be successfully integrated into the cell work. In the case of Santa Ana we have a traditional Sunday school functioning healthily in coordination with the cell model, and in San Salvador we have a typical cell model for the teaching of children. It's about being creative and not about discarding just for the sake of it.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS


Integrando a Escola Dominical
Bem frequentemente tenhoouvido que adotar o modelo em células significa que as igrejas devem se livrar de todos os ministérios que tinham antes da transição. Mas esta ideia é bem irrealista. Deixe-me dar o exemplo do ministério da Escola Dominical de duas igrejas que estou assumi a responsabilidade.
Iniciarei com a igreja onde eu iniciei meu ministério na cidade de Santa Ana, El Salvador. Antes da transição para o modelo de células a igreja tinha a Escola Dominical. Nós continuamos com aquele ministério após a adoção do modelo de células e quando construímos nossos prédios, incluimos uma classe para as crianças. A Escola Dominical em Santa Ana sempre foi bem organizada. Um forte motivo para esta organização era um casal muito eficiente que se dedicavam a organizar a Escola Dominical ao longo dos anos. A igreja de Santa Ana se tornou uma igreja em células e agora tem mais de 10.000 membros. Alguns meses atrás nós tivemos que construir um novo prédio com mais classes para acomodar a congregação crescente. Mas a Escola Dominical caminha lado a lado com o modelo em células. Crianças são ministradas tanto nas casas onde eles têm células infantis como na Escola Dominical durante os cultos de final de semana.
As coisas eram diferentes em San Salvador. Uma razão para isso foi o crescimento explosivo e outra foi a forma como a igreja era governada entre os pastores responsáveis por cada distrito, em vez de toda a congregação. Em torno da minha chegada em 1997, o espaço para a sala era insuficiente e a instrução aos professores inadequada. Ao planejarmos a construção de um prédio adequado para ministrar ao vasto número de crianças que estavam por vir, fiquei chocado quando os arquitetos me disseram que precisaríamos um prédio com 200 salas e que eventualmente precisaríamos acrescentar mais salas anualmente em decorrência desse crescimento.
Foi aí que decidimos mudra as coisas. Decidimos dar ensino bíblico às crianças nas casas, e então nos finais de semana cultos que permitissem a essas crianças reunirem-se em um culto de celebração maior (este é um modelo seguido por algumas igrejas em células). O que estou tentando dizer é que os ministérios podem ser integrados com sucesso dentro da igreja em células. No caso de Santa Ana, temos uma Escola Dominical funcionando efetivamente sendo coordenada pelo modelo em células e em San Salvador ensinamos através das células infantis que se une para adorar aos finais de semana. É tudo questão de criatividade e não descartar ministérios por que você “supostamente deve fazer”.