jueves, 20 de noviembre de 2014

EL LÍDER COMO SER HUMANO.

El tiempo de la cosecha del café en El Salvador, que va de noviembre a enero de cada año, llevaba a los miembros de la iglesia a trasladarse de la ciudad a las montañas. Esto quebraba la estructura del trabajo celular por tan larga ausencia.
Hicimos esfuerzos creativos para que las personas en las montañas pudieran continuar sus esfuerzos evangelizadores. Eso se logró en una medida inferior a la que se lograba con el trabajo constante de las células en las casas. No obstante, eso era mejor que no hacer nada.
Al fondo de todo esto, lo que había era una lucha por la sobrevivencia. La cosecha del café era para muchos el único ingreso seguro que tendrían durante el año. Con ello ahorraban lo suficiente para enviar a sus niños a la escuela y para comprar ropa y calzado para el resto del año. No se trataba de algo opcional para la mayoría sino de la lucha por la sobrevivencia.
Como iglesia, entendimos que debíamos respetar el derecho que cada familia tenía de procurarse su subsistencia. Mal hubiésemos hecho al intentar presionar a las personas para quedarse en la ciudad y seguir trabajando con el modelo celular. Después de todo “no fue hecho el hombre por causa del sábado sino el sábado por causa del hombre’. El valor principal es el ser humano y sus necesidades. Para el mes de febrero el grueso de las personas estaban de regreso y las cosas retomaban su ritmo. En el verano de los países del Primer Mundo el principio es igual: el sábado se hizo por causa del hombre.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The leader as a human being.
The time to harvest coffee in El Salvador that goes from November to January each year, made the church members move from the city to the mountains. This broke the cell work structure because of the long absence.
We made creative efforts so people in the mountains could continue their evangelist efforts. That was achieved in a lower extent than how it was achieved with the continued work of the cells in the houses. However, that was better than doing nothing.
Deep down, what we had here was a struggle for survival. The coffee harvest was for many the only assured income they would have during the year. With it, they were able to save enough to send their children to school and to buy clothes and shoes for the rest of the year. For the majority it was not about something optional but about fighting for survival.
As a church, we understood that we had to respect the right that every family had to procure their subsistence. We would have done wrong trying to pressure people to stay in the city and continue working with the cell model. After allThe Sabbath was made for man, not man for the Sabbath”. The main value is the human being and his needs. On the month of February most of the people were back and things went back to normal. In the summer of the First World countries the principle is the same: the Sabbath was made for man.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

O líder como um ser humano.
O tempo de colher café em El salvador (Novembro a Janeiro) fez os membros da igreja se mudarem da cidade para as montanhas. Inicialmente, essa temporada de colheita feriu nossa estrutura celular. Mas fizemos criativos esforços para ajudar nosso povo a continuar com seus esforços evangelísticos, mesmo enquanto estavam longe, nas montanhas. Nós não vimos os mesmos resultados que viríamos através dos grupos de célula normais nas casas, mas foi melhor do que não fazer nada.
No fundo, o que tínhamos era uma luta pela sobrevivência. Para muitos a colheita de café era a única renda certa que teriam durante o ano. Com isso, eles eram capazes de economizar o suficiente para mandar suas crianças para a escola e comprar roupas e sapatos para o resto do ano. Para a maioria não se tratava de algo opcional, mas sim de luta pela sobrevivência.
Como uma igreja, nós entendemos que tínhamos que respeitar o direito que cada família tinha de procurar seu sustento. Nós teríamos feito errado em tentar pressionar as pessoas a ficar na cidade e continuar trabalhando com o modelo celular. Afinal, “O dia de descanso (Sabbath) foi feito para o homem, não o homem para o dia de descanso”. O valor principal é o ser humano e suas necessidades. Até o mês de fevereiro, a maioria das pessoas estavam de volta em Santa Ana e as coisas voltaram ao normal. Nós aprendemos lições importantes sobre flexibilidade e foco no bem-estar de nossos líderes e suas famílias. 

jueves, 13 de noviembre de 2014

REUNIONES PARA LA TEMPORADA.

Después de nuestros primeros intentos por continuar con el modelo de las células en la altas montañas donde se recogía la cosecha del café, llegamos a la conclusión que era un error conservar el modelo exacto en condiciones tan diferentes. En verdad, nuestro apego al modelo se convertía en la principal dificultad para conservar el esfuerzo evangelizador.
Decidimos entonces dar un poco de flexibilidad. Cada líder realizaría una vez por semana una reunión un poco más abierta. No se esperaba la constancia de una célula propiamente dicha, pero sí se buscaba aprovechar la oportunidad de tener a cientos de personas reunidas en las montañas durante “la corta” y que no tenían mayor cosa que hacer después de la caída del sol.
Cada líder asumió la tarea y comenzó a desarrollar este tipo de reunión un poco más flexible pero siempre utilizando la guía de enseñanza que se usaba en las células. Mientras en la ciudad la enseñanza se continuaba dando en las células tradicionales, en las montañas se realizaban estas reuniones eminentemente evangelizadoras entre los colectores de la cosecha.
El resultado fue que muchas personas fueron alcanzadas para Jesús, además, los líderes se mantuvieron activos durante la temporada de “la corta” que iba de noviembre a enero de cada año. Ellos lograban hacer sus ahorros para el año y al mismo tiempo sentían que continuaban activos haciendo la obra de Dios aún en las circunstancias más diversas.
Como dije al inicio de la serie, esta experiencia es diferente al del verano en el hemisferio norte; pero, muestra cómo la flexibilidad y la creatividad pueden hacer de este período uno en el que el fruto se continúe levantando.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS.

Seasonal meetings.
After our first attempts to continue the cells’ model in the high mountains where the coffee harvest was collected, we concluded it was a mistake to preserve the exact model in such different conditions. Our attachment to the model was truly becoming the main difficulty to maintain the evangelizing work.
So we decided to give some flexibility. Each leader would perform once a week a little more open meeting. A cell’s (strictly speaking) perseverance was not expected, but we did seek to use the opportunity of having hundreds of people gathered in the mountains during the "la corta” of coffe who did not have much things to do after the sunset.
Each leader took on the task and began to develop this type of meeting a bit more flexible but always using the teaching guide that was used in the cells. While in the city the teaching kept on being imparted in traditional cells, in the mountains these eminently evangelistic meetings took place among the harvest collectors.
As a result many people were reached for Jesus, in addition the leaders kept themselves active during the season of "picking" that went from November to January each year. They managed to make their savings for a year and at the same time they felt that they continued doing the work of God even in the most diverse circumstances.
As I said at the beginning of the series, this experience is different from the summer in the northern hemisphere; but it shows how the flexibility and creativity can make of this period one in which the fruit continues to be lifted.



TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Flexibilidade durante reuniões sazonais.
Após nossas primeiras tentativas para continuar as células nas altas montanhas onde a colheita de café era coletada, nós concluímos que era um erro preservar o modelo exato em condições tão diferentes. Nossa rigidez e falta de flexibilidade era a principal dificuldade em estarmos disponíveis para evangelizar através desse tipo de grupo celular. Então decidimos conceder certa flexibilidade. Cada líder faria um encontro semanal mais flexível. Nós queríamos simplesmente tirar proveito das centenas de pessoas reunidas nas montanhas durante "la corta" do café e que não tinham muito o que fazer depois do pôr do sol.
Cada líder recebeu o desafio de desenvolver um tipo de reunião mais flexível, e ao mesmo tempo continuar a usar o guia de célula que todas as células usavam. Nossas células normais continuaram sua ordem e práticas normais na cidade de Santa Ana, mas essas células das montanhas eram mais flexíveis e principalmente evangelísticas e focadas nos coletores da colheita. Como resultado, muitas pessoas foram alcançadas para Jesus, além dos líderes se manterem ativos durante a temporada de colheita que ocorre de Novembro a Janeiro todos os anos. Eles conseguiram fazer as suas poupanças por um ano e, ao mesmo tempo, eles sentiram que continuaram fazendo a obra de Deus, mesmo nas mais diversas circunstâncias.
Como eu disse no início das postagens, essa experiência é diferente do verão no hemisfério norte;  mas ela mostra como a flexibilidade e a criatividade podem tornar esses períodos sazonais frutíferos para a glória de Deus. 

jueves, 6 de noviembre de 2014

EL VERANO ANGLOSAJÓN Y LA CORTA DE CAFÉ.

En un país del Tercer Mundo como lo es El Salvador, no existe un fenómeno parecido al del verano de los país desarrollados. No obstante, cuando llegué a la ciudad de Santa Ana para iniciar una iglesia Elim en 1980, el país tenía todavía una economía que se basaba principalmente en la exportación del café.
Santa Ana es una ciudad cercana a las grandes montañas y volcanes del país. El café es una planta que produce fruto de mejor calidad en las regiones altas. Por ello es que el mejor café es llamado “café de altura”. Porque es en las alturas donde alcanza su mejor punto.
Al llegar a esa ciudad me encontré con un fenómeno que en San Salvador, la capital, era desconocido. Se trataba del período de “corte”. Es decir de cortar el café de la planta. Es una tarea que demanda mucha mano de obra y que se paga de acuerdo a la producción. A mayor peso de semilla cortada mayores ingresos. La combinación de estos elementos provocaba el fenómeno de los “cortes” en donde las personas abandonaban la ciudad para ir a las montañas a cortar el café. Dado que la jornada comenzaba a las 4 AM era imposible volver a la ciudad cada día. De manera que las personas migraban a las montañas durante los meses de noviembre, diciembre y enero.
Durante esos meses la iglesia quedaba desolada. Para muchas familias ese sería el ingreso con el cual sobrevivirían el resto del año. Era la oportunidad de comprar zapatos y libros a los niños que iban a la escuela y de hacerse de alimentos. Por el contrario, la iglesia casi quebraba debido a la ausencia de los hermanos y solamente se quedaban los que tenían otro tipo de trabajo en la ciudad. Que eran muy pocos.
Cuando hicimos la transición al modelo celular ya sabíamos del fenómeno y temíamos que se quebrara la columna del trabajo celular por una ausencia tan prolonga de los hermanos. De manera que tuvimos que ser creativos para que la dificultad se volviera una oportunidad. Aunque es muy diferente la realidad del verano en el hemisferio norte al período de corte del café en El Salvador, existe cierto paralelismo que nos puede ayudar a sacar conclusiones comunes. De eso hablaremos en las siguientes semanas.



TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The Anglo-Saxon Summer and the Coffee Harvest.

There is not such a phenomenon as the summer of the developed countries in a third-world country as El Salvador. However, when I arrived to Santa Ana city to found a church from Elim in 1980, the country was based mainly on a coffee-export economy.
Santa Ana is a city close to mountains and volcanoes and coffee is a plant which its best fruit is produced at the highest lands. The best coffee is called "highland coffee" or "café de altura" in Spanish. This, because it is in the high lands where coffee reaches its gourmet point.
When I arrived to this city, I found a phenomenon not known at the urban capital of the country, San Salvador. This was, the harvest time or "tiempo de la corta" as it is known in the country, which consists in taking the fruit from the plant. This task demands a lot of labor and it's paid in accordance to the production: Higher the weight of the bag containing the fruit, cut from the plant, higher the income to the collector. The combination of these elements provoked the phenomenon of "the harvest" or "la corta" in Spanish, where cities were abandoned for the people in order they could go to the mountains to collect the coffee crop. Since the working day began at 4 am, it was impossible to come back to the city. In such a way, people migrated to the mountains during the months of November, December and January.

During these months, the church remained desolate. To many families, this would be the income to survive the rest of the year. It was the opportunity to buy shoes and books to the children who attend school, it was also the opportunity to buy food.

On the contrary, the church was near bankruptcy because of the brethren absence. The only ones who stayed were the ones who had another kind of job, there were just a few.

When we made the transition to the cell model, we know about the phenomenon. We were afraid that the back bone of the cell system would be broken for such a long absence of the brethren.

So, we have to be creative to transform a problem into an opportunity. Even though the northern-hemisphere reality in the summer is quite different from the harvest period in El Salvador, there is certain parallelism which could help us to establish common conclusions. About that, we'll talk in the following weeks.



TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS


O verão anglo-saxônico e a colheita de café.
Nós de El Salvador não temos um “verão” tradicional como aqueles de países desenvolvidos. No entanto, quando eu cheguei na cidade de Santa Ana para iniciar uma Igreja Elim em 1980, o pais era baseado principalmente na economia de exportação de café. Santa Ana é uma cidade próxima às montanhas e vulcões onde o café cresce da melhor forma. O melhor café é chamado “highland coffee” ou “café de altura” em Espanhol. É nas grandes alturas que o café alcança seu ponto gourmet.
Quando eu cheguei na cidade, eu encontrei um fenômeno não conhecido para nós que estávamos acostumados à vida urbana de San Salvador, a capital de El Salvador. Estou me referindo ao tempo de colheita ou “tempo de la corta” como é conhecido no país. Esse é o momento em que os colhedores pegam o fruto da planta do café. Essa tarefa exige muito trabalho e as pessoas são pagas de acordo com a produção: quanto maior o peso do saco contendo o fruto, maior é a renda para o coletor. A combinação desses elementos provocou o fenômeno “da colheita” ou “la corta”, em espanhol. O tempo da colheita era tão importante que aldeias e cidades inteiras eram esvaziadas para que as pessoas pudessem coletar a safra de café. O dia de trabalho começava às 4h da manhã, e por isso era impossível voltar para sua própria cidade.
Durante os meses de novembro, dezembro e janeiro, as pessoas migravam para as montanhas até que a colheita estivesse completa.
Durante esses meses, a igreja permanecia vazia. Muitas famílias dependiam da renda da safra de café para sobreviver pelo restante do ano. Era a oportunidade deles de comprar sapatos e livros, para que seus filhos pudessem frequentar a escola. Era também a oportunidade de comprar comida. Em contrapartida, nossa própria igreja estava perto da falência por causa da falta de irmãos. Os únicos que permaneciam eram os que possuiam um outro tipo de trabalho, e esses eram apenas alguns.
Quando fizemos a transição para o modelo celular, nós sabíamos sobre o fenômeno. Tínhamos medo de que a espinha dorsal do sistema celular estivesse quebrada depois de tanto tempo de ausência de irmãos. Então, nós tivemos de ser criativos para transformar um problema numa oportunidade. Apesar de a realidade do hemisfério norte no verão ser bastante diferente do período de colheita em El Salvador, há um certo paralelismo que poderia nos ajudar a estabelecer conclusões comuns. E nas próximas semanas, falaremos sobre isso. 

jueves, 30 de octubre de 2014

LA CÉLULA LA LLEVAN LOS LÍDERES.

Comenzamos a trabajar con el modelo celular en la ciudad de Santa Ana sabiendo que llegaríamos a la época de “la corta” de café a fin de año. Sabíamos que la larga ausencia de la mayor parte de miembros durante tres meses afectaría el alcance evangelizador de nuestras nuevas células.
El primer año, nuestras células no operaron durante ese lapso; pero después del mes de enero la iglesia experimentó una primavera que le permitía incrementar su alcance. Con el tiempo, se hizo norma que el primer trimestre de cada año era el de mayor crecimiento.
Un tiempo después, pensamos que una manera de aprovechar la migración hacia las montañas era la de que cada líder realizara en las fincas de café la reunión de célula una vez por semana. A pesar que los líderes lo intentaron se encontraron con varias dificultades: la falta del anfitrión, la falta de una verdadera casa, la imposibilidad de entregar sus reportes, la falta del supervisor, una pérdida del sentido de pertenencia y comunidad de los miembros de la célula.
Creo que todos esos obstáculos podrían haberse superado usando de creatividad. Pero, quizá un poco de rigidez para entender a la célula fue lo que más desalentó a nuestros líderes. No obstante, pudimos dar un golpe de timón a todo ello. Pero, eso será nuestro tema de la próxima semana.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Leaders conduct the cell.
We started working with the cell model in the city of Santa Ana knowing that at the end of the year we would reach the time of the harvest of coffee or “la corta”, in Spanish. We knew that the long absence of most of the members during three months would affect our new cells’ evangelistic outreach.
The first year, our cells did not operate during that time period; but after the month of January, the church experienced a spring time which allowed it to increase its outreach. Over time, it became a norm that the first quarter of each year was of the highest growth.
Later on, we thought that if each leader held the cell meeting once a week in the coffee farms, that would be a way to make the most of the migration to the mountains. Although leaders tried it, they encountered several difficulties: the lack of a host, the lack of a real house, the inability to deliver their reports, the lack of a coach, the loss of the sense of belonging and community among the cell members.
I think all of those obstacles could have been overcome using creativity. But perhaps a little rigidness to understand the cell was what most discouraged our leaders. Nevertheless, we were able to make a change of direction regarding all. But that will be our next week’s theme.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Grupos de Célula e as Estações da Vida
.
Nós começamos a trabalhar com o modelo de células na cidade de Santa Ana sabendo que no final do ano nós chegaríamos no período da colheita de café ou “la corta”, em Espanhol. Nós sabíamos que a longa ausência da maioria dos membros durante esses três meses afetariam de forma negativa o propósito evangelístico das novas células. No primeiro ano, nossas células não funcionaram durante esse período. Mas depois do mês de Janeiro, a igreja experimentou um tempo de primavera que nos permitiu aumentar o evangelismo. Com o tempo, se tornou uma regra que o primeiro trimestre de cada ano era o tempo de maior crescimento.
Mais tarde, pensamos que se cada líder realizasse a reunião de células uma vez por semana nas fazendas de café, seria uma maneira de aproveitar ao máximo a migração para as montanhas. Embora os líderes tenham tentado, encontraram muitas dificuldades: a falta de um anfitrião, a falta de uma casa de verdade, a incapacidade de entregar os seus relatórios, a falta de um treinador, a perda do sentido de pertencimento e de comunidade entre os membros da célula. Eu acho que todos esses obstáculos poderiam ser superados usando criatividade. Mas talvez nós fossemos muito rígidos em nossa compreensão da célula, e isso desencorajou nossos líderes.
No entanto, fomos capazes de fazer uma mudança de direção em relação a tudo isso. Mas isso será nosso tema da próxima semana.


jueves, 16 de octubre de 2014

OTRAS DISCIPLINAS ESPIRITUALES DEL LÍDER.

El desierto, por su misma naturaleza, no ofrece muchas distracciones para el ser humano. Las personas que viven allí tienen mucho tiempo para cultivar hábitos que no son comunes en las zonas urbanas. Por ello, el desierto fue el lugar por excelencia donde Dios hablaba a los hombres. Las condiciones más comunes del desierto son la soledad, el silencio y la meditación.
Veamos cada una de ellas. La soledad mueve al hombre a volverse hacia sí mismo. La interiorización permite a las personas llegar a conocerse muy bien. Sus fortalezas, sus debilidades, sus motivaciones, sus ideales. El conocerse a sí mismo es lo que permite al ser humano poder sobreponerse a las peores dificultades de la vida.
El silencio tiene la cualidad de cultivar una paz que no se experimenta sino solamente mientras se calla. Nuestra cultura moderna, urbana y sobre poblada no nos permite apreciar la virtud del silencio. Pero, sin duda, que no hay mejor tesoro que la paz que se encuentra en el silencio.
Por su parte, la meditación es la que permite recoger las joyas de las dos características anteriores. La soledad y el silencio sin meditación no podrían ofrecer mayores beneficios. Pero las tres condiciones actuando juntas pueden ayudar al ser humano a encontrarse a sí mismo y a encontrar su misión. Ese es el sentido de la vida de Abraham en el desierto. De los cuarenta años de meditación de Moisés. De los treinta años de soledad de Juan el Bautista. De los cuarenta días de ayuno en el desierto de Jesús. Y ese sentido de la soledad, el silencio y la meditación es el que el líder debe rescatar en la medida de lo posible en nuestras culturas atestadas y apresuradas para una espiritualidad verdaderamente vigorosa.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Other spiritual disciplines for the leader.
The desert, by its very nature, doesn’t offer many distractions to humans. People that live there have a lot of time to cultivate habits that are not common in urban areas. That is why; the desert was the best place where God spoke to men. The desert’s most common conditions are solitude, silence and meditation.
Let's check each one of them. Solitude moves man to turn to himself. Internalization allows people to get to know themselves very well; their strengths, weaknesses, motivations and ideals. Knowing oneself is what allows human beings to overcome the worst difficulties of life.
Silence has as a characteristic the ability to cultivate a peace that can only be experienced while you are quiet. Our modern, urban and overcrowded culture doesn’t allow us to appreciate the virtue of silence. But surely there is no better treasure than the peace found in the silence.
On the other hand, meditation is what allows to collect the jewels of the above two features. Solitude and silence without meditation couldn’t offer greater benefits. But the three conditions acting together can help man to find himself and find his mission. That is the meaning of Abraham's life in the desert. Of Moses’ forty years of meditation. Of John the Baptist’s thirty years of solitude and of Jesus’ forty-day fasting in the desert. And that sense of solitude, silence and meditation is what the leader must rescue, to the extent possible, in our crowded and hasty cultures in order to have a truly vigorous spirituality.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Outras disciplinas espirituais da líder.
O deserto, por sua própria natureza, não oferece muitas distrações para os seres humanos. As pessoas que vivem lá tem um monte de tempo para cultivar hábitos que não são comuns em áreas urbanas. É por isso que muitas vezes Deus fala ao povo no deserto. Condições mais comuns do deserto são a solidão, silêncio e meditação. Vamos verificar cada um deles.
Solidão move o homem a voltar-se para si mesmo. Internalização permite que as pessoas para conhecer-se muito bem: seus pontos fortes, pontos fracos, motivações e ideais. Conhecer a si mesmo é o que permite que os seres humanos para superar as piores dificuldades da vida.
Silêncio tem como característica a capacidade de cultivar uma paz que só pode ser experimentado quando você estiver quieto. A nossa cultura moderna, urbana e superlotadas não nos permitem apreciar a virtude do silêncio. Mas, certamente, não há melhor do que o tesouro encontrado a paz no silêncio.
Por outro lado, a meditação é o que permite que as pessoas para recolher as jóias das duas características acima. Solidão e silêncio sem meditação não oferecem muitos benefícios. Mas as três condições que agem em conjunto pode ajudar o homem a encontrar-se e encontrar a sua missão. Esse é o significado da vida de Abraão no deserto; de Moisés quarenta anos de meditação; de de João Batista 30 anos de solidão; e do jejum de quarenta dias de Jesus no deserto.
Mesmo em nossa lotado, cultura apressada, os líderes devem recapturar a disciplina de solidão, silêncio e meditação se eles vão ter uma vida espiritual verdadeiramente vigoroso. 

jueves, 2 de octubre de 2014

LA ESPIRITUALIDAD DEL LÍDER.

Jesús dijo: “Si el grano de trigo no cae en la tierra y muere, queda solo; pero si muere, lleva mucho fruto” Juan 12:24. Esas palabras hacen referencia a la agricultura, la principal fuente de sustento en la época de Jesús. Solamente se puede tener una cosecha si se planta el grano de trigo. Eso supone que el grano debe morir como condición para la nueva vida.
Si el líder pretende obtener una buena cosecha de personas convertidas a Jesús y de nuevos líderes que a su vez harán a otros discípulos, solo podrá lograrlo a condición de su muerte al yo. El negarse a sí mismo es completamente contrario a la naturaleza humana que busca constantemente la propia comodidad y protección. Y esa es la razón principal que impide que un líder pueda desarrollar las metas que se propone.
La historia del cristianimo muestra que el evangelio solamente avanza cuando los hombres están dispuestos a morir a sí mismos. Quienes más han logrado para el reino de Dios son aquellos que fueron más amplios en su capacidad de morir al yo. El negarse a sí mismo, por ser contrario a la naturaleza humana, solo se puede lograr sobre la base de una fuerte espiritualidad. En verdad, la auténtica muestra de espiritualidad es la capacidad de negarse a sí mismo. La muerte del yo es un proceso que dura toda la vida. Nunca cesa. Cuando parece que se ha logrado, nuevas situaciones muestran el verdadero carácter. Una vez más hay que volver al taller de Dios para que siga terminando con nuestro ego. Para el líder es importante iniciar el camino, pues, de otra manera se quedará solo.

The leader’s spirituality
Jesus said, “Very truly I tell you, unless a kernel of wheat falls to the ground and dies, it remains only a single seed. But if it dies, it produces many seeds”. John 12:24. Those words refer to agriculture, the main source of livelihood in the time of Jesus. You can only have a harvest if a grain of wheat is planted. That means that the grain must die as a condition for the new life.
If the leader pretends to get a good harvest of people converted to Jesus and new leaders who will in turn make other disciples, he will only be able to achieve this on the condition of dying to self. To deny ourselves is completely contrary to human nature that constantly seeks her own comfort and protection. And that is the main reason that prevents a leader from developing his proposed goals.
The story of Christianism shows that the Gospel advances only when men are willing to die to themselves. Those who have achieved more for the kingdom of God are those that were broader in their ability to die to self. Denying ourselves, because it is contrary to human nature, can only be achieved on the basis of a strong spirituality. Truly, the authentic sign of spirituality is the ability to deny ourselves. Dying to self is a process that lasts during your whole life. Never ceases. When it seems that it has been achieved, new situations bring forth the true character. Once again we must return to God’s workshop to allow him to put an end to our ego. It is important for the leader to start on this road, because otherwise he will end up alone.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

A espiritualidade do líder.
Jesus disse, “Em verdade, em verdade vos asseguro que se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, permanecerá ele só; mas se morrer produzirá muito fruto” (João 12:24). Essas palavras referem-se a agricultura, a maior economia no tempo de Jesus. Você só pode ter uma colheita de trigo se um grão de trigo for plantado e morrer. Essa é a condição para nova vida.
Se o líder quer ver pessoas convertidas e tornando-se discípulas de Jesus, isso só vai acontecer se ele estiver disposto a morrer para si mesmo. Isso é completamente contrário à natureza humana, que está constantemente buscando conforto e proteção. E por conta dessa falta de disposição para morrer para si mesmo, os líderes frequentemente têm poucos frutos.
A história do Cristianismo demonstra que o Evangelho só avança quando homens e mulheres estão dispostos a morrer para si mesmos. Aqueles que deram muitos frutos para o reino de Deus morreram para si mesmos e permitiram que Cristo viva através deles. Negar a nós mesmos, por ser contrário à natureza humana, só pode ser alcançado através do Espírito de Deus trabalhando através de nós. Na verdade, a auto-negação é um sinal de se o Espírito de Deus está ou não trabalhando em nós.
Morrer para si mesmo é um processo que dura durante toda a vida de alguém. O processo nunca cessa até que Deus nos leve para casa. Quando parece que a auto-negação finalmente foi alcançada, novas situações aparecem que desafiam nosso verdadeiro caráter. Mais uma vez nós devemos retornar à oficina de Deus para permitir que Ele coloque um fim ao nosso ego. É importante para o líder começar nessa estrada, porque do contrário ele terminará sozinho e sem frutos. 

jueves, 25 de septiembre de 2014

LA ORACIÓN COMO PRIORIDAD.

La oración es clave para el líder de célula. No obstante, es uno de los hábitos más descuidados. La razón más frecuente que se menciona para descuidar la oración es la falta de tiempo. En realidad, a lo que se refieren las personas es a que tienen dificultades para priorizar la oración. Casi nunca se escucha a alguien argumentar falta de tiempo para trabajar, comer o dormir. Parece que siempre hay tiempo para eso pero no para la oración. Se trata entonces de una cuestión de prioridades.
La oración no se convertirá en una prioridad por casualidad. O porque se presenten las condiciones para orar por sí mismas. Las condiciones nunca se presentarán solas, hay que construirlas. Hay dos elementos fundamentales para crear las condiciones. La primera es tener un lugar establecido para orar y, la segunda, tener una hora establecida. Todo lo que hacemos en la vida sigue una rutina que se repite más o menos igual cada día. Para dormir, comer, trabajar, levantarnos, etc. Para todas esas cosas tenemos lugares y horas ya establecidas.
Para la oración se necesita tener un lugar adecuado. El lugar debe ser apropiado para que no hayan distracciones al momento de orar. Lo mismo ocurre con la hora. Hay que buscar un momento del día cuando se pueda gozar de cierta tranquilidad y ausencia de presiones por el tiempo. Una vez se establecen un lugar y una hora, se debe ser muy fiel en respetar ambos elementos. En la medida que se respetan el lugar y la hora para la oración, el hábito se arraigará igual que cualquier otro. No importa si alguna vez no cumplimos con lo propuesto. Siempre habrá tiempo para volver a retomar el orden. Esto le dará al líder de célula la bendición que necesita para llevar mucho fruto.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Prayer as a priority.
Prayer is key to the cell leader. However, it is one of the most neglected habits. The most frequently mentioned reason for neglecting prayer is the lack of time. In fact, what people mean is that they have difficulties prioritizing prayer.  You almost never hear someone claiming to have lack of time for work, eat or sleep. It seems like there is always time for that but not for prayer. It is then a matter of priorities.
Prayer will not become a priority by chance, or because the conditions to pray come up on their own. The conditions will never come up on their own, these must be built. There are two key elements to create the conditions. The first one is to have an established place to pray and the second one is to have an established time. Everything we do in life follows a routine that is repeated more or less the same every day. To sleep, eat, work, get up, etc. For all these things we have established times and places.
You need to have a suitable place for prayer. The place must be appropriate to avoid having distractions when praying. The same goes for time. We must find a time during the day when we can enjoy some peace and quiet and no time pressures. Once you establish a place and time you should be very faithful to respect both elements. As you respect the place and time for prayer, the habit will take root like any other. It doesn’t matter if some day we don’t comply with what we had proposed. There will always be time to resume the order. This will give the cell leader the blessing that he needs to bear much fruit.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Oração como uma prioridade.
A oração é uma chave para o líder de célula. Todavia, é um dos hábitos mais negligenciados. A razão mencionada com maior frequencia para negligenciar a oração é a falta de tempo. Contudo, o que as pessoas querem dizer quando dizem que não têm tempo é que elas têm dificuldade em priorizar a oração. Você quase não ouve alguém reclamar que não tem tempo para trabalhar, comer ou dormir. Parece que sempre há tempo para coisas importantes. Na verdade, estamos falando sobre prioridades.
A oração não vai se tornar uma prioridade por acaso, ou porque as condições para orar aparecem por conta própria. As condições nunca vão simplesmente se materializar. Em vez disso, elas precisam ser aproveitadas. Elas precisam ser criadas. Existem dois elementos-chave para criar essas condições. O primeiro é ter um local estabelecido para orar, e o segundo é ter um tempo estabelecido. Tudo que fazemos na vida segue uma rotina que é repetida mais ou menos da mesma forma todos os dias. Nós dormimos, comemos, trabalhamos, nos levantamos, e assim em diante. Para todas essas coisas nós temos tempos e locais estabelecidos.
O mesmo é verdadeiro para a oração. Você precisa ter um local adequado para oração. O lugar deve ser apropriado para evitar distrações enquanto ora. O mesmo serve para o tempo. Nós precisamos encontrar tempo durante o dia quando podemos desfrutar de alguma paz e silêncio sem as pressões usuais de tempo. Uma vez que você estabeleceu um lugar e tempo, você deve ser muito fiel para manter ambos. Conforme você faz isso, o hábito da oração vai criar raízes. E isso permanecerá verdadeiro, mesmo se em alguns dias você perder seu tempo e local exatos. Sempre haverá tempo para retomar a ordem. E isso dará ao líder de célula a benção que ele necessita para dar muitos frutos.