jueves, 25 de junio de 2015

MOVILIZANDO HACIA LA CELEBRACIÓN.

En el caso de las iglesias celulares numerosas las cosas se invierten: es mayor el número de personas que asisten a las células que las que asisten a la celebración. En la iglesia del pastor Cho, en Yoido, es un porcentaje del 30% el que asiste a la celebración. En el caso de Elim, el porcentaje ronda el 40%
Las razones para ello pueden ser el tiempo que se lleva trabajando y el desarrollo mismo del modelo celular que va pasando de casa en casa hasta llegar a superar la capacidad de sus edificios. Aunque se realizan varios cultos al día, éstos no son suficientes para recibir a todas las personas.
No obstante, se continúan haciendo esfuerzos por movilizar a las personas a la iglesia. En el caso de Elim, un elemento importante ha sido el contratar autobuses para trasladar las personas a la celebración. Los supervisores de célula son los encargados de contratar un autobús para trasladar a las personas desde sus hogares hacia el edificio de la iglesia y luego de regreso. Cada célula aporta una contribución que hace posible el pago del autobús. En el mejor de los casos, la cantidad que se colecta es suficiente como para ofrecer el transporte gratuito a los invitados. Porque también el transporte tiene un concepto evangelizador. Se le ve como un instrumento para llevar invitados a la celebración y que conozcan al salvador.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Mobilizing toward the celebration.
Things are inverted concerning multitudinous cell churches: the number of people attending the cells is greater than the number attending the celebration. In Pastor Cho’s church in Yoido, it is a percentage of 30% attending the celebration. In Elim’s case, the percentage is around 40%
The reasons for this may be the time we have worked on it and the development of the cell model that passes from house to house until it surpasses the capacity of their buildings. Even though we have many services during the day, these are not enough to receive all the people.
Nevertheless, we continue to make efforts to mobilize people to the church. In Elim’s case, an important element has been hiring buses to take people to the celebration. Cell supervisors or coaches are the ones in charge of hiring a bus to transport people from their homes to the church building and back. Each cell makes a contribution that makes it possible to pay for the bus. In the best case scenario, the amount collected is enough to provide the guests with free transportation. Because the transportation has also an evangelizing concept, this is seen as an instrument to bring guests to the celebration in order to allow them to know the Savior.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Mobilizando os membros das células para o culto de celebração.
As coisas estão invertidas no tocante a nossa porcentagem de pessoas que frequentam a célula versus o culto de celebração. Simplificando, o número de pessoas que frequentam as células é muito maior do que o número de pessoas que frequentam o culto de celebração. Na igreja do pastor Cho em Yoido, cerca de 30% das pessoas em células participam da celebração. No caso de Elim, a porcentagem é de cerca de 40%.
Uma das razões para essa situação é que temos trabalhado arduamente em nosso sistema celular e o número que nós atingimos através das células ultrapassa a capacidade de nossos prédios. Mesmo que tenhamos muitos cultos durante a semana (e durante o dia inteiro nos fins de semana), simplesmente não há espaço suficiente para receber todas as pessoas. 
No entanto, continuamos nos esforçando para mobilizar as pessoas da célula para os cultos de celebração. Na nossa situação particular em Elim, nós contratamos ônibus para transportar as pessoas das células para o culto de celebração. Os supervisores de células (treinadores) são responsáveis por contratar ônibus públicos para transportar as pessoas de suas casas para o prédio da igreja e depois de volta para casa. Cada célula faz uma contribuição financeira que torna possível o pagamento do ônibus. Na melhor das situações, o valor arrecadado é suficiente para fornecer aos visitantes um transporte gratuito. Como nós vemos este tipo de transporte como parte do nosso esforço evangelístico, nós temos o prazer de pagar para os não-cristãos irem aos cultos de celebração e receberem a Cristo como resultado.  

jueves, 11 de junio de 2015

LA VISIÓN DEL PASTOR PRINCIPAL.

El pastor de una iglesia es para sus miembros lo que el pastor es para las ovejas. Es un guía y un referente para ser seguido. Por ese motivo, el pastor no solamente enseña y modela con su sermón sino que lo hace con sus acciones pero también con sus omisiones. Los miembros de la iglesia tienen la capacidad de percibir el mensaje de su pastor ya sea por sus palabras, por sus acciones o por sus omisiones. Desde hace mucho se ha dicho que los hechos hablan más que las palabras. Sin duda que eso es cierto. Pero de la misma manera que las acciones de un pastor son elocuentes también lo son sus omisiones.
Los miembros saben lo que su pastor hace y lo que no hace. La importancia de que el pastor se coloque a la cabeza del trabajo celular en su iglesia es que, al hacerlo, expresa gran interés en el tema. Consecuentemente, sus miembros perciben que el trabajo celular es importante porque su pastor se encarga de trazar la visión, las metas y la dirección en general. Por el contrario, si el pastor delega el trabajo a otra persona, por fiel que ésta sea, envía un mensaje de omisión. El mensaje es: el trabajo celular no es tan importante. Lo delego en alguien más para ocuparme de lo verdaderamente importante.
Así, los miembros se enfocarán en lo que su pastor sí atiende personalmente. Ese será el motivo de su interés. Lo otro, lo delegado, no será el foco de su atención e imitación. La visión del trabajo celular debe envolver y poseer al pastor. Al punto que se coloca al frente de la batalla. Cuando el corazón del pastor se muestra así de enfocado, sus miembros estarán igualmente enfocados.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The senior pastor’s vision.
The pastor of a church is for his members what the pastor is for the sheep. He is a guide and a model to be followed. For that reason, the pastor not only teaches and models with his sermon but he does it with his actions, but also with his omissions. The church members have the ability to perceive their pastor’s message either by his words, his actions or by his omissions. It has long been said that actions speak louder than words. No doubt that is true. But in the same way that a pastor’s actions are eloquent so are his omissions.
The members know what their pastor does and what he does not. The importance about the pastor placing himself at the head of the cell work in the church is that in doing so, he expresses great interest in the subject. Consequently, his members perceive that the cell work is important because their pastor is responsible for drawing the vision, goals and direction in general. On the contrary, if the pastor delegates the work to another person, even if this is a faithful person, he sends a message of omission. The message is: the cell work is not so important. I delegate it to someone else in order to take care of what's truly important.
Thus, the members will focus on what their pastor personally takes care of. That will be the reason of their interest. The other, what has been delegated will not be the focus of their attention and imitation. The cell work vision should envelope and posses the pastor, to the point of placing himself in front of the battle. When the pastor's heart is focused, his members will be focused as well.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

A visão do pastor principal.
O pastor de uma igreja é para seus membros o que um pastor é para as ovelhas. Ele é um guia e um modelo a ser seguido. Por esta razão, o pastor não só ensina um sermão, mas ele também dá exemplo com suas ações das palavras do sermão. A Ovelha precisa saber que as palavras do pastor são verdadeiras na própria vida dele. Os membros da igreja têm a capacidade de perceber a mensagem de seu pastor ou por suas palavras, suas ações ou por suas omissões. Há muito tempo foi dito que ações falam mais alto que palavras. Sem dúvida, isso é verdade. Mas da mesma forma que as ações de um pastor devem coincidir com suas palavras, também é verdade que o pastor deve assumir a responsabilidade por aquilo que não diz a seus membros (omissões).
Os membros sabem o que seu pastor faz e o que ele não faz. Quando o pastor se coloca à frente do trabalho celular, ele é um modelo do que ele espera que os membros façam. Consequentemente, os seus membros percebem que o trabalho de células é importante porque seu pastor é responsável por compartilhar a visão, metas e direção em geral. Do contrário, se pastor delega o trabalho a outra pessoa, mesmo que esta seja uma pessoa fiel, ele passa uma mensagem de omissão. A mensagem é: o trabalho celular não é tão importante. Eu o delego para outra pessoa, a fim de cuidar do que é verdadeiramente importante.
Assim, os membros irão se concentrar no que o seu pastor se concentra pessoalmente. A visão do trabalho celular deve inflamar e possuir o pastor a ponto de ele se colocar à frente na batalha. Quando o coração do pastor está focado no ministério de células, seus membros serão comprometidos e apaixonados também. 

jueves, 4 de junio de 2015

LAS REUNIONES PEQUEÑAS Y LAS GRANDES.

La iglesia inicial fue formada por judíos exclusivamente. Ellos continuaron practicando sus tradiciones después de la resurrección de Jesús. Entre ellas, la costumbre de usar la parte alta de las casas para reuniones religiosas. Esa es la razón por la que Jesús celebró la pascua con sus discípulos en un aposento alto. Se cree que ese mismo aposento fue el lugar donde cincuenta días después la iglesia fue llena del Espíritu Santo.
Al producirse las primeras conversiones, los creyentes continuaron reuniéndose en las casas como era ya tradicional. Los nuevos creyentes eran judíos también y en ese momento no veían ninguna razón para separarse del judaísmo. En las casas se reunían para las cenas ágape y los simposios mientras en el patio del templo se reunían para compartir el evangelio y escuchar a los apóstoles.
Posteriormente, cuando el evangelio llegó a ciudades gentiles la iglesia continuó reproduciendo el mismo modelo. Es decir, se reunían en las casas y junto al río, como en Filipos. En las casas y en algún otro lugar donde pudieran juntos escuchar a Pablo o cualquiera de los otros predicadores itinerantes. La iglesia, pues, tenía las reuniones pequeñas en las casas y las reuniones grandes para celebrar y dar testimonio. Así la iglesia continuó haciéndolo durante 300 años que fueron los mismos siglos de mayor expansión del cristianismo. 


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Small and large meetings.
The early church was made up of Jews exclusively. They continued to practice their traditions after the resurrection of Jesus. Among those traditions, there was the habit of using the highest part of the house for religious gatherings. That is the reason why Jesus celebrated the Passover with his disciples in an upper room. It is believed that this same room was the place where fifty days later the church was filled with the Holy Spirit.
When the first conversions occurred, believers continued to meet in homes as it was already customary. The new believers were also Jews and at that moment they saw no reason to separate from the Judaism. They gathered in the houses for the agape dinners and the symposiums, while in the courtyard of the temple they met to share the gospel and listen to the apostles.
Later, when the gospel came to the Gentile cities the church continued reproducing the same model. That is, they gathered in the houses and along the river, as in Philippi. And in any other place where they could listen together to Paul or any other among the itinerant preachers. Thus, the church had small gatherings in the houses and the large gatherings to celebrate and give testimonies. So the church continued to do this for 300 years, which were the same centuries of the greatest expansion of Christianity.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Reuniões pequenas e grandes.
A igreja primitiva era constituída exclusivamente de Judeus. Eles continuaram a praticar suas tradições após a ressurreição de Jesus. Entre essas tradições existia o hábito de usar a parte mais alta da casa para encontros religiosos. Essa é a razão pela qual Jesus celebrou a Páscoa com seus discípulos em uma sala mais alta (cenáculo). Acredita-se que esta mesma sala foi o local onde 50 dias mais tarde a igreja foi cheia do Espírito Santo.
Quando as primeiras conversões ocorreram, os crentes continuaram a se reunir em casas como já era de costume. Os novos crentes também eram judeus e naquele momento eles não viram nenhuma razão para se separarem do Judaísmo. Em vez disso, eles se reuniam nas casas para os jantares ágape, enquanto no pátio do templo eles se encontravam para compartilhar o evangelho e ouvir os apóstolos. 
Mais tarde, quando o evangelho chegou aos gentios, a igreja continuou reproduzindo o mesmo modelo. Ou seja, eles se reuniam nas casas ao longo do rio, como em Filipos. E em qualquer outro lugar onde eles pudessem se reunir para ouvir Paulo e os outros pregadores itinerantes. Assim, a igreja tinha reuniões pequenas nas casas e reuniões grandes para celebrar e dar testemunhos. A igreja continuou a fazer isso por 300 anos, e devemos sempre lembrar que foi durante esse período que o cristianismo experimentou sua maior expansão. 

jueves, 28 de mayo de 2015

DE LAS ACTIVIDADES A LAS CÉLULAS

Antes de realizar la transición para convertirnos en una iglesia celular, Elim era una iglesia saturada de muchas actividades. El corazón de esas actividades era el evangelismo. Había evangelización de casa en casa, en los autobuses, en los cines, en los mercados, en las canchas de juego, en las escuelas y hasta en el aeropuerto. Dondequiera que hubiese un lugar donde las personas se reunieran allí íbamos a evangelizar. Para hacerlo se utilizaban globos, banderas, carteles, marchas, cantos, música, etc. Todo aquello que fuera útil para llamar la atención de las personas. También había pequeños cultos públicos que se hacían en barrios, calles importantes, parques, etc.
Cuando se hizo la transición, las células absorbieron todas esas fuerzas y la iglesia se enfocó en el trabajo en las casas. Ya no era necesario hacer todas las demás actividades. La razón no era que todos los otros esfuerzos fueran malos. Eran buenos, pero limitados. Una importante limitación era que las personas que pudieran creer no tenían claridad de cómo ser parte de una iglesia. A pesar que se les recomendaba ir a una iglesia cristiana, no teníamos una manera efectiva de darles seguimiento y mucho menos de entrenarlos para la obra del ministerio.
Con las células las personas no solo son recibidas al creer sino que también son introducidas a la Ruta del Líder para continuar su crecimiento espiritual hasta convertirse en nuevos líderes de células. El enfocarnos en el trabajo celular permitió soltar muchas actividades que saturaban el tiempo de las personas para dedicarnos a un esfuerzo que resulta más amplio, más eficiente y más perseverante.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

From the activities to the cells.
Before making the transition to become a cell church, Elim was a church saturated with many activities. The heart of those activities was evangelism. There was evangelization from house to house, on buses, in theaters, in markets, in playgrounds, in schools and even at the airport. Wherever there was a place where people gathered there we went to evangelize. In order to do so we used balloons, banners, posters, marches, songs, music, etc., all that was useful to draw people’s attention. There were also small public services that were made in neighborhoods, major streets, parks, etc.
When the transition was made, cells absorbed all those forces and the church focused on the work in the houses. It was not necessary to do all the other activities. The reason was not that all the other efforts were bad. They were good, but limited. An important limitation was that people that could believe, had no clarity of how to be part of a church. Although they were advised to go to a Christian church, we didn’t have an effective way to track them, much less to train them for the work of ministry.
With the cells, the people are not only received after believing, but they are also introduced to the Leader’s Route to continue their spiritual growth up to become new cells leaders. The focus on the cell work allowed us to drop many activities that were saturating the people’s time to dedicate ourselves to an effort that results broader, more efficient and more persistent.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

De atividades para o ministério celular.
Antes de fazer a transição para se tornar uma igreja em células, Elim era uma igreja saturada com muitas atividades. O coração dessas atividades era o evangelismo. Tínhamos evangelização de casa em casa, nos ônibus, nos cinemas, nos mercados, em playgrounds, nas escolas e até mesmo no aeroporto. Onde quer que houvesse um lugar onde as pessoas se reuniam, nós evangelizávamos. A fim de fazer isso, nós usávamos balões, banners, cartazes, marchas, canções, música, e assim por diante — qualquer coisa que chamasse a atenção das pessoas. Também iniciamos pequenos serviços públicos nos bairros, nas ruas principais e nos parques.
Quando nós transicionamos para a estratégia de igreja em células, as células absorveram todos esses métodos de evangelismo, e começamos a alcançar as pessoas através do ministério de casa em casa. De repente, não era necessário fazer todas as outras atividades. Não é que os outros métodos eram ruins. Eles eram realmente bons. O problema era que eles eram limitados. Por que? Porque aqueles que eram “salvos” nestes eventos não tinham um mecanismo de discipulado natural para envolvê-los dentro da igreja. Embora nós os aconselhássemos a irem para uma igreja cristã, nós não tínhamos um meio eficaz para rastreá-los, muito menos para treiná-los para o trabalho do ministério.
Agora, com o ministério de células, as pessoas não só recebem a Jesus, mas elas também são discipuladas dentro da célula. Nós também as apresentamos à Rota do Líder (equipamento) para que elas possam continuar o seu crescimento espiritual e, eventualmente, tornar-se novos líderes de células. Nosso foco no ministério de células nos permitiu soltar as muitas atividades que estavam saturando o tempo das pessoas, para que pudessem dedicar-se ao ministério celular, que é muito mais eficaz e eficiente. 

jueves, 21 de mayo de 2015

DE LOS GRUPOS A LAS CÉLULAS INFANTILES

Durante los primeros años de nuestro trabajo con células no teníamos un plan especialmente diseñado para los niños. En realidad, los niños tenían un lugar secundario. Mientras se realizaba la célula de adultos, los niños eran llevados a otra habitación o al patio de la casa. En ese lugar, no había un programa que desarrollar y cada persona encargada cuidaba de los niños de acuerdo a su criterio particular.
Pero, al hablar de “persona encargada”, no estoy hablando de un líder entrenado. Solamente era una persona que se ofrecía voluntariamente para cuidar de los niños y, muchas veces, era al niño que tenía un poco de mayor edad a quien se le asignaba la responsabilidad. En pocas palabras, no teníamos un trabajo intencional con los niños.
Debido a dificultades que teníamos para construir los edificios suficientes para la Escuela Dominical, se me ocurrió la idea de trasladar la enseñanza de los niños a las casas. Así nacieron nuestras células infantiles. Pensé que eso era algo original, pero al conocer en Brasil el trabajo que el pastor Roberto Lay desarrolla en ese país, puede darme cuenta que el concepto de célula infantil no era nuevo. Así fue como hace más de una década comenzamos a trabajar con células infantiles. Con líderes entrenados para ese trabajo y con un programa de contenidos sistematizado. Tenemos una Ruta del Líder para células infantiles que es más extensa que la Ruta del Líder para células de adultos. En la actualidad, se atiende un promedio de 27,000 niños en las células infantiles y bastantes de ellos se encuentran en la etapa de transición entre la niñez y la juventud. Una nueva generación de cristianos se está levantando dentro de una cultura totalmente celular. La atención a los niños fue otro aspecto que tuvimos que corregir en nuestro trabajo celular.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

From groups to children cells.
During the early years of our work with cells we did not have a specially designed plan for children. In fact, children were secondary. While the adult cell was taking place, the children were taken to another room or the backyard. In this place, there wasn’t a program to develop and every person that was in charge looked after the children according to their particular criteria.
But, when I speak of a “person in charge”, I'm not talking about a trained leader. It was just a person who voluntarily offered to take care of children, and in many times it was a child who was a bit older the one assigned with this responsibility. In short, we didn’t have an intentional work with children.
Due to the difficulties we had building enough premises for the Sunday School, I had the idea of ​​moving the children’s teaching to the houses. This is how our children cells were born. I thought this was something original, but when I learned in Brazil about the work Pastor Roberto Lay develops in that country, I could realize that the concept of children cell was not new. This was how for more than a decade we started working with children cells. With leaders trained for that task and with a program with systematic contents. We have a leader’s Route for children cells which is longer than the Leader’s Route for adult cells. Currently, an average of 27,000 children is treated in children cells and many of them are in the transition stage between childhood and youth. A new generation of Christians is being raised in a completely cell culture. Taking care of children was another issue that we had to correct on our cell work.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Erros e Correções no trabalho com Crianças.
Durante os primeiros anos do nosso trabalho com células, nós não tínhamos um plano especialmente projetado para crianças. Na verdade, as crianças eram secundárias. Enquanto a célula adulta estava se reunindo, as crianças eram simplesmente levadas para outro quarto (ou para o quintal) e a “pessoa encarregada” tentaria ministrá-las. Nós não tínhamos um programa para desenvolver ministrantes de crianças, então cada grupo seguia seu próprio plano. Portanto, quando eu falo sobre a “pessoa encarregada”, não me refiro a um líder treinado. Era apenas alguém que voluntariamente se ofereceu para cuidar das crianças, e em muitos casos, era um adolescente ou uma criança mais velha que era simplesmente um pouco maior do que as outras presentes. Em outras palavras, nós não éramos intencionais sobre nosso trabalho com crianças.
Por causa das dificuldades que tivemos em construir as novas salas de ensino em nosso prédio da igreja, eu decidi mover nosso ministério educacional para as casas. Foi assim que as nossas células de crianças nasceram. Eu pensei que isso fosse algo original, mas então eu aprendi que isso é muito comum no Brasil. O Pastor Roberto Lay desenvolveu um excelente material de crianças que é projetado para ser usado nos grupos de células caseiros. Eu comecei a perceber que o ministério para as crianças nos lares não é novo. Hoje já faz mais de uma década que estivemos trabalhando com grupos de células de crianças. Nós treinamos sistematicamente aqueles que lideram nossas células de crianças e desenvolvemos nosso próprio material. Nós preparamos aqueles que estarão ensinando através do treinamento de discipulado (rota do líder), o que na verdade leva mais tempo do que o nosso treinamento de discipulado normal (rota do líder). Atualmente, uma média de 27.000 crianças que estão sendo ministradas a cada semana em nossas células de crianças e muitas delas estão em fase de transição entre infância e juventude. Uma nova geração de cristãos está sendo desenvolvida numa cultura de células. Nós aprendemos a partir dos nossos erros a nos tornar muito mais pró-ativos em nosso ministério para crianças. 

jueves, 14 de mayo de 2015

LA IMPORTANCIA DE LA RUTA DEL LÍDER.

Cuando Elim comenzó su trabajo celular no tenía un curso de entrenamiento para nuevos líderes. Solamente se tenían cuatro lecciones que se impartían una vez por semana. Es decir, en un mes una persona se consideraba capacitada como líder. Esto fue así por varios años. No se tuvo problemas porque hay que recordar que cuando Elim hizo su transición para convertirse en una iglesia celular ya contaba con alrededor de 3,000 miembros. Había personas muy maduras en la fe, doctrinalmente competentes, con experiencia en la evangelización y muy apasionadas por Jesús.
Con el paso de los años esa reserva de personal humano que la iglesia tenía se agotó. Pero, continuamos trabajando sin tener un curso de entrenamiento o Ruta del Líder. En los seminarios que compartimos con Joel Comiskey escuché el énfasis que Joel dada al tema de la Ruta del Líder. En algunas ocasiones mencionaba que las características básicas de una iglesia celular incluían el tener una Ruta del Líder definida. Entonces caí en la cuenta que, en verdad, nosotros no teníamos una Ruta del Líder y que eso constituía una debilidad marcada de nuestro modelo.
Después de haber escuchado a varios pastores celulares del mundo hablar sobres sus respectivas Rutas logramos elaborar la nuestra. Al echarla a andar experimentamos un incremento sensible en el ritmo de crecimiento de la iglesia. Ahora comprendo que fue un error el haber dejado pasar tanto tiempo sin una Ruta del Líder definida. Toda iglesia celular debería adoptar una Ruta del Líder o crear la propia. Pero, no debe dejar pasar mucho tiempo sin poseerla.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The Leader’s Route Importance.
When Elim began its cell work it didn’t have a training course for new leaders. We only had four lessons that where taught once a week. That is, a person was considered trained as a leader in one month. This went on for several years. It didn’t represent any problems because you have to remember that when Elim transitioned to become a cell church it already had about 3,000 members. There were very mature people in the faith, doctrinally competent, with experience in evangelization and very passionate for Jesus.
Over the years we ran out of this reservoir of human personnel that the church had. But we continue to work without a training course or Leader’s Route. In the seminars shared with Joel Comiskey I heard the emphasis Joel gave to the subject of the Leader’s Route. Sometimes he mentioned that the basic features of a cell church included having a defined Leader’s Route. Then I realized that we really didn’t have a Leader’s Route and that this constituted a marked weakness of our model.
We were able to develop our own after listening to several cell world pastors speak about their respective routes. We experienced a significant increase in the growth rate of the church when we started it. Now I understand it was a mistake to let so much time pass without having a defined Leader’s Route. Every cell church should adopt a Leader’s Route or create its own. But it should not let a long time pass without having one.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

A importância do equipamento.
Quando a Igreja Elim começou seu ministério celular, não existia um curso de treinamento para novos líderes. Nós tínhamos apenas quatro aulas que eram ensinadas em quatro semanas, uma aula por semana. Ou seja, uma pessoa era considerada treinada como um líder em um mês. Isso continuou por muitos anos. Nós não tínhamos problemas com esse equipamento porque você deve se lembrar que, quando a Elim fez a transição para se tornar uma igreja em células, ela já tinha cerca de 3.000 membros. Muitos desses membros eram pessoas muito maduras na fé, doutrinariamente competentes, com experiências em evangelismo, e muito apaixonadas por Jesus.
Contudo, com o passar dos anos nós ficamos sem esse reservatório de crentes maduros. Ainda assim, nós continuamos trabalhando sem um equipamento reformulado (isto é, sem uma Rota de Treinamento de Líder). Nos seminários que eu dei com Joel Comiskey, eu o ouvi compartilhar várias e várias vezes sobre a importância de um trilho de equipamento forte. Ele mencionava frequentemente que um aspecto-chave na igreja em células é ter uma Rota de Líder bem definida. Foi então que eu percebi que nós não tínhamos de fato uma Rota de Líder e que isso constituía uma fraqueza evidente do nosso modelo.
Nós pudemos desenvolver o nosso próprio trilho depois de analisar o equipamento de outras igrejas em células e ouvir o que elas tinham a dizer sobre isso. Nós experimentamos um aumento significante na taxa de crescimento de nossa igreja, uma vez que foi implementado o equipamento em toda a igreja. Agora eu entendo que foi um erro deixar passar tanto tempo sem termos uma Rota de Líder definida. Toda igreja em células deve adotar uma Rota de Líder ou criar sua própria. Mas não espere tanto quanto nós para ter uma! 

jueves, 7 de mayo de 2015

ADQUIRIENDO LOS FUNDAMENTOS

Los primeros años de nuestro trabajo celular fuimos sostenidos por la profunda pasión que teníamos de llevar adelante la expansión del evangelio. No teníamos mucho conocimiento de los valores ni de los principios ni de los modelos celulares. Elim éramos una isla trabajando sin conexión con otras iglesias celulares. Alrededor de 1997 tuve la oportunidad de conocer a Joel Comiskey quien realizaba su trabajo misionero en Ecuador. La ocasión fue una conferencia que se impartiría en la iglesia La República, en Quito, donde Joel era asesor. En esa ocasión lo que hice fue predicar sobre el modelo celular. Pero cuando llegó el turno de Joel me cautivó con el dominio que él tenía del tema. Después de eso, compartimos otras conferencias con Joel, principalmente en sur América en donde continué aprendiendo de él y conectándome con el movimiento celular mundial.
Después de unos años, decidí preparar la primera conferencia para nuestros propios líderes durante toda una semana, de lunes a sábado. Lo que compartí en esa ocasión fueron los elementos básicos del trabajo celular. Lo que me sorprendió fue que algunos de nuestros pastores se me acercaron para decirme: -Nunca habíamos escuchado estas cosas-
Eso me sorprendió, porque en los últimos diez años siempre había pensado que los pastores de la iglesia Elim en San Salvador eran quienes mejor sabían cómo trabajar con células. Pero, ahora que me decían que nunca habían oído las verdades básicas comencé a preguntarme ¿cómo se había logrado llegar hasta ese punto?
Como lo dije antes, se debía a la pasión por alcanzar a los perdidos. No obstante, nos esperaba la larga marcha. Necesitábamos reforzar con conocimiento de los valores, principios y modelos. Creo que lo que ha sostenido el trabajo por estos 28 años ha sido la formación recibida todo este tiempo. El poseer las bases bíblicas, el conocimiento y la teoría sobre el trabajo celular es fundamental para que el esfuerzo no termine al agotarse las emociones. Es más, creo que la pasión no puede mantenerse encendida si no es sobre la base de la doctrina. Ahora creo que, gracias a los maestros del modelo celular en el mundo, hemos logrado una consistencia y una solidez en la doctrina celular. Creo que estamos listos para legar a la próxima generación. El obtener ese conocimiento nos permitió superar otra de nuestras fallas de origen.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Acquiring the Fundamentals.
During the first years of our cell work we were sustained by the deep passion we had for carrying out the expansion of the gospel. We did not have much knowledge of the values, principles and cell models. Elim was an island working offline with other cell churches. Around 1997 I had the opportunity to meet Joel Comiskey who was doing his missionary work in Ecuador. The occasion was a conference which was to be imparted in the church La Republica in Quito, where Joel was an adviser. At that occasion what I did was to preach about the cell model. But when Joel's turn came I was captivated by his mastery in the subject. After that, we shared other conferences with Joel, mainly in South America where I continued to learn from him and connect with the worldwide cell movement.
After a few years, I decided to prepare the first conference for our own leaders for a whole week, Monday to Saturday. What I shared on that occasion were the basic elements of cell work. What surprised me was that some of our pastors approached me to say: -We had never heard these things-
That surprised me, because in the last ten years I had always thought that Elim church’s pastors in San Salvador were those who best knew how to work with cells. But now that they were telling me they had never heard the basic truths I began to wonder how did we managed to get to that point?
As I said before, it was because of the passion for reaching the lost. However, we expected a long way to go. We needed to reinforce with the knowledge of values, principles and models. I think that what has sustained the work for these 28 years has been the training received during all this time. Having the biblical basis, the knowledge and the cell work theory is fundamental so the effort doesn’t end upon the exhaustion of the emotions. Moreover, I believe that passion cannot stay ignited if it is not based on doctrine. Now I believe that thanks to the teachers of the cell model in the world, we have achieved consistency and firmness in the cell doctrine. I believe we're ready to bequeath to the next generation. Gaining this knowledge allowed us to overcome another of our flaws of origin.



TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Adquirindo os fundamentos.
Durante os primeiros anos de nosso trabalho celular, nós fomos sustentados pela profunda paixão que tínhamos para realizar a expansão do evangelho. Nós não tínhamos muito conhecimento sobre os valores, princípios e modelos celulares. Elim era uma ilha funcionando sem conexão com outras igrejas em células. Por volta de 1997, tive a oportunidade de conhecer Joel Comiskey, que estava fazendo o seu trabalho missionário no Equador. Eu liderei uma conferência em Quito, no Equador, onde Joel era um missionário e pastor. Eu falei sobre a igreja em células. Mas quando chegou a vez de Joel, fui cativado por sua maestria no assunto. Depois disso, Joel e eu compartilhamos outras conferências juntos, principalmente na América do Sul, onde eu continuei a aprender com ele e me conectei com o movimento de células em todo o mundo.
Depois de alguns anos, decidi preparar a primeira conferência para os nossos próprios líderes durante uma semana inteira, de segunda a sábado. Eu compartilhei naquela ocasião sobre os elementos básicos do trabalho em células. O que me surpreendeu foi que alguns dos nossos pastores se aproximaram de mim para dizer: "Nós nunca ouvimos sobre essas coisas antes". Isso me surpreendeu, porque nos dez anos anteriores eu sempre pensei que os pastores da igreja Elim em San Salvador realmente entendiam o ministério de células. Mas agora que eles estavam me dizendo que nunca tinham ouvido falar das verdades básicas, comecei a me perguntar como é que conseguimos chegar tão longe.
Como eu disse antes, foi por causa da paixão para alcançar os perdidos. No entanto, percebemos que tínhamos um longo caminho a percorrer. Nós precisávamos reforçar o conhecimento dos valores, princípios e modelos. Acho que o que tem sustentado o trabalho durante estes 28 anos tem sido o treinamento recebido durante todo esse tempo. Ter a base bíblica e o conhecimento da teoria celular é fundamental para evitar o esgotamento. Além disso, acredito que a paixão não pode ficar inflamada se não for baseada em doutrina. Agora eu acredito que, graças aos professores do modelo celular no mundo, temos conseguido consistência e firmeza na doutrina e prática celular. Eu acredito que estamos prontos para passar adiante o que sabemos para a próxima geração. Ganhar esse conhecimento nos permitiu superar outra falha no nosso modelo de célula original.