jueves, 23 de noviembre de 2017

¿QUÉ TAN EXTENSA PUEDE SER LA TRANSICIÓN?

La iglesia cristiana nació con una práctica muy intensa de servirse los unos a los otros. Existen más de cincuenta pasajes en el Nuevo Testamento que hablan de que los creyentes se ministraban los unos a los otros. Eso ocurrió porque el modelo de sacerdocio de la ley fue roto para hacer de todo creyente un sacerdote. Esa vivencia la experimentan en mayor o menor medida las iglesias actuales dependiendo de sus tradiciones, prácticas y conceptos teológicos. Esas características son las que determinan la facilidad o la dificultad con la que cada una de ellas harán su transición al modelo celular.

La dificultad de una iglesia para completar su transición es proporcional al nivel de involucramiento histórico de sus miembros en el ministerio. A menor involucramiento mayor dificultad para la transición. A la inversa, a mayor involucramiento menor dificultad para hacer la transición. Una iglesia donde históricamente los miembros se han limitado a ser oyentes pasivos, consumidores de servicios religiosos, debe comenzar por desarrollar una enseñanza prolongada del modelo de iglesia del Nuevo Testamento. Dependiendo del carisma y el liderazgo del pastor ese tiempo podría prolongarse o reducirse. Esto puede suponer entre tres a diez años.

En el caso de Elim la transición se produjo en un par de meses. Eso se debió a dos grandes elementos. Primero, la alta participación que los miembros tenían en el evangelismo. Las personas ardían de pasión por tener una parte activa en el servicio a Dios. Segundo, el fuerte liderazgo de su pastor fundador. Que era muy inspirador, influyente y muy orientado hacia la movilización de todos los creyentes. Esos factores permitieron una transición rápida y efectiva. Pero, no hay dos iglesias iguales. Cada una debe hacer un examen muy honesto de sus características para poder realizar una transición adecuada a sus particularidades únicas.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

How extensive can the transition be?
The Christian church was born with a very intense practice of serving one another. There are more than fifty passages in the New Testament that speak of believers ministering to one another. That happened because the priesthood model of the law was broken to make a priest out of every believer. That experience is lived out to a greater or lesser extent by the current churches depending on their traditions, practices and theological concepts. Those characteristics are what determine the ease or difficulty with which each of them will make their transition to the cell model.

The difficulty of a church to complete its transition is proportional to the level of historical involvement of its members in the ministry; the lesser the involvement, the more difficult the transition, conversely, the greater the involvement, the less difficulty in making the transition. A church where historically members have been limited to being passive listeners, consumers of religious services, must begin by developing a long-term teaching of the New Testament church model. Depending on the charisma and leadership of the Pastor that time could be prolonged or reduced. This can take three to ten years.

In the case of Elim the transition took place in a couple of months. That was due to two major elements: First, the high participation that the members had in evangelism. People burned with passion to have an active part in the service to God. Second, the strong leadership of its founding Pastor. Who was very inspiring, influential and very oriented towards the mobilization of all believers. Those factors allowed for a rapid and effective transition. But, there aren’t two churches alike. Each one must make a very honest examination of its characteristics in order to make a proper transition to its unique particularities.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Quão extensa pode ser a transição?
A Igreja cristã nasceu com uma prática muito intensa de servir uns aos outros. Há mais de cinquenta passagens no Novo Testamento que falam dos convertidos ministrando uns aos outros. Isso aconteceu porque o modelo do sacerdócio da Lei foi quebrado para tornar cada crente um sacerdote. O “sacerdócio de todos os crentes” é vivido em maior ou menor grau pelas igrejas, dependendo de suas tradições, práticas e conceitos teológicos. Essas tradições e práticas são as que determinam a facilidade ou a dificuldade com que cada uma delas irá fazer a transição para o modelo celular.
A dificuldade de uma igreja para completar sua transição é proporcional ao nível de envolvimento histórico de seus membros no ministério; quanto menor o envolvimento, mais difícil é a transição. Por outro lado, quanto maior o envolvimento, menos dificuldade terão em fazer a transição. Algumas igrejas devem começar muito lentamente através de extensos ensinamentos sobre os princípios do Novo Testamento, porque os membros foram limitados a serem ouvintes passivos e consumidores de serviços religiosos. Dependendo do carisma e liderança do Pastor, esse tempo pode ser prolongado ou reduzido. A transição nessas igrejas pode levar de três a dez anos.

No caso da Igreja Elim, a transição ocorreu em alguns meses. Isso foi devido a dois elementos principais: primeiro, a alta participação que os membros tiveram no evangelismo. As pessoas queimaram com paixão por terem uma parte ativa no serviço a Deus. Em segundo lugar, a forte liderança de seu pastor fundador, que foi muito inspirador, influente e muito orientado para a mobilização de todos os crentes. Esses fatores permitiram uma transição rápida e efetiva. Mas não há duas igrejas iguais. Cada uma deve fazer um exame muito honesto de sua história e cultura, a fim de fazer uma transição adequada de acordo com suas particularidades únicas.

jueves, 16 de noviembre de 2017

BENEFICIOS DE UNA DEFINICIÓN DE CÉLULA

Desde hace años en Elim adoptamos la definición de célula que tantas veces le he escuchado a Joel Comiskey: “Una célula es un grupo de 3 a 15 personas que se reúnen semanalmente fuera del edificio de la iglesia con el propósito de evangelizar, confraternizar y edificarse y que están comprometidos con las funciones de la iglesia local y que hacen discípulos que generan a otros discípulos con la meta de multiplicarse.” Esta definición es bastante integral y nos ha servido para tomar decisiones en diferentes momentos de nuestro trabajo.

Como otras veces lo he explicado, aprendimos el trabajo celular de los primeros libros del pastor Cho que fueron traducidos al español. Uno de ellos se llamaba “Los grupos familiares y el crecimiento de la iglesia”. De ese título adoptamos el nombre de “grupos familiares” para referirnos a las células. Eso creó una relación mental entre las familias y las pequeñas reuniones. Se instaló en nuestro cerebro la idea de que para que existiera una célula se necesitaba una casa. Nos resistíamos a la idea de llamar célula a un grupo de estudiantes que no se reunían en una casa sino que en la escuela o la universidad.

Con el paso del tiempo y, al adoptar la definición de célula, una y otra vez volvía la pregunta sobre si las reuniones de estudiantes eran o no células por no realizarse en una casa. En ese punto es que nos fue útil el poseer una definición. Los estudiantes eran un grupo de entre 3 a 15 personas que se reunían semanalmente muy lejos de edificio de la iglesia, en las escuelas y universidades. Lo hacían con el propósito de evangelizar, confraternizar y edificarse. Estaban comprometidos con la iglesia local y hacían discípulos que generaban a otros discípulos. Es decir, cumplían todas las condiciones de una célula.

Este es un ejemplo sencillo de cómo el poseer una clara definición de célula puede ayudarnos en momentos cuando surgen dudas sobre el trabajo.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Benefits of a cell definition.
Since years ago, in Elim we adopted the definition of a cell that I have so often heard from Joel Comiskey: “A cell is a group of 3 to 15 people who meet weekly outside the church building for the purpose of evangelizing, fraternizing and edifying and who are committed to the functions of the local church and who make disciples who make other disciples with the goal of multiplication.” This definition is quite integral and has served to make decisions at different times of our work.

As I have explained at other times, we learned about the cell work from the first books of Pastor Cho that were translated into Spanish. One of them was called “Family Groups and Church Growth.” From that title, we adopted the name of “family groups” to refer to cells. That created a mental relationship between families and small meetings. It was installed in our brain the idea that a house was needed in order for a cell to exist. We resisted the idea of ​​calling a group of students who did not meet in a house but at school or university a cell.

Over time, and by adopting the definition of cell, again and again the question was raised as to whether or not student meetings were cells because they did not take place in a house. At that point, it became useful to have a definition. The students were a group of 3 to 15 people who met weekly very far from the church building, in schools and universities. They did it with the purpose of evangelizing, fraternizing and edifying each other. They were engaged with the local church and made disciples who made other disciples. That is, they fulfilled all the conditions of a cell.

This is a simple example of how having a clear cell definition can help us at times when questions about work arise.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Benefícios de uma definição de célula.
Há alguns anos, a Igreja Elim adotou a definição de célula que sempre ouvi Joel Comiskey falar: “Uma célula é um grupo de 3 a 15 pessoas que se encontram semanalmente fora do prédio da igreja com a finalidade de evangelizar, construir comunidade e edificação, comprometidas com as funções da igreja local e que fazem discípulos que fazem outros discípulos com o objetivo de multiplicação”. Esta definição é bastante integral e serviu para tomar decisões em momentos diferentes em nosso trabalho.
Como expliquei em outras ocasiões, aprendemos sobre o trabalho celular com os primeiros livros do Pastor Cho que foram traduzidos para o espanhol. Um deles foi chamado de “Grupos Familiares e Crescimento da Igreja” (tradução livre). A partir desse título, adotamos o nome de “grupos familiares” para nos referirmos a células. Isso criou uma relação mental entre famílias e pequenas reuniões. Foi instalada em nossos cérebros a ideia de que uma casa era necessária para que uma célula existisse. Resistimos à ideia de chamar um grupo de alunos que não se reuniam em uma casa, mas na escola ou na universidade, de célula.
Ao longo do tempo, ao adotar a definição de célula, várias e várias vezes foi levantada a questão sobre se as reuniões de estudantes eram ou não células porque não aconteciam em uma casa. Nesse ponto, tornou-se útil ter uma definição. Os estudantes eram um grupo de 3 a 15 pessoas que se encontravam semanalmente, muito longe do prédio da igreja, nas escolas e universidades. Eles faziam isso com o propósito de evangelizar, construir comunidade e se edificar mutuamente. Eles estavam envolvidos com a igreja local e faziam discípulos que faziam outros discípulos. Ou seja, eles preenchiam todas as condições de uma célula.

Este é um exemplo simples de como ter uma definição de célula clara pode nos ajudar em momentos em que os questionamentos surgem.

jueves, 2 de noviembre de 2017

LA CÉLULA Y LA PLENITUD DE LA VIDA CRISTIANA

La lectura del Nuevo Testamento debe realizarse teniendo siempre en cuenta el hecho que los primeros cristianos no tuvieron locales especiales para el culto. Ellos se reunían en las casas, en grupos pequeños. En ese contexto se deben releer pasajes como el siguiente: “Cuando os reunís, cada uno de vosotros tiene salmo, tiene doctrina, tiene lengua, tiene revelación, tiene interpretación. Hágase todo para edificación” (1 Co. 14:26). Este versículo, nos muestra cómo las diversas funciones y dones de los creyentes se ejercitaban en la intimidad de los hogares. Se menciona el canto, la enseñanza y el ejercicio de los dones del Espíritu Santo. Veamos ahora este otro pasaje: “Y perseverando unánimes cada día en el templo, y partiendo el pan en las casas, comían juntos con alegría y sencillez de corazón, alabando a Dios, y teniendo favor con todo el pueblo. Y el Señor añadía cada día a la iglesia los que habían de ser salvos” (Hch. 2:46-47). Acá se mencionan elementos como la perseverancia, la cena del Señor, la comunión, la alegría, la alabanza y el evangelismo.

Es difícil pensar en roles dentro de la iglesia que no se mencionen en esos dos versículos que son ventanas en el tiempo por las que podemos ver el interior de las células primitivas. La participación en las reuniones en las casas era para ellos la vida cristiana, era la iglesia. No existía tal cosa como poder optar entre las reuniones en las casas y cualquier otro rol eclesiástico. De igual manera, hoy en día no existe tal cosa como la opción entre células y cualquier otra preferencia de servicio. Todo se realiza dentro de la célula, la otra opción sería solamente languidecer.


TRADUCCIÓN AL INGLÉSEEee

The cell and the fullness of the Christian life
The reading of the New Testament should be done taking always into account the fact that the first Christians had no special places for worship. They met in the houses, in small groups. Passages such as the following should be re-read in that context: “Whenever you come together, each of you has a psalm, has a teaching, has a tongue, has a revelation, has an interpretation. Let all things be done for edification.”  (1 Cor. 14:26). This verse shows us how the various functions and gifts of the believers were exercised in the privacy of homes. Singing, teaching and the exercise of the gifts of the Holy Spirit are mentioned. Let us now look at this other passage: “So continuing daily with one accord in the temple, and breaking bread from house to house, they ate their food with gladness and simplicity of heart, praising God and having favor with all the people. And the Lord added to the church daily those who were being saved.” (Acts 2: 46-47) Elements such as perseverance, the Lord's Supper, fellowship, joy, praise and evangelism are mentioned here.

It is difficult to think of roles within the church not mentioned in those two verses which are windows in time by which we can see the inside of the primitive cells. For them, the participation in meetings in the houses was the Christian life, it was the church. There was no such thing as being able to choose between house meetings and any other ecclesiastical role. Similarly, today there is no such thing as the choice between cells and any other service preference. Everything is done inside the cell; the other option would be to languish only.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

A célula e a plenitude da vida cristã.
A leitura do Novo Testamento deve sempre levar em conta que os primeiros cristãos não tinham lugares especiais para a adoração. Eles se encontravam nas casas, em pequenos grupos. Passagens como as seguintes devem ser re-lidas nesse contexto: “Ora, quando vos reunis, cada um de vós tem um salmo, ou uma mensagem de ensino, uma revelação, ou ainda uma palavra em determinada língua e outro tem a interpretação dessa língua. Tudo seja feito para a edificação da Igreja” (1 Coríntios 14:26). Este versículo nos mostra como as variadas funções e dons dos crentes eram exercidos na privacidade dos lares. O louvor, o ensino e o exercício dos dons do Espírito Santo são mencionados. Atos 2:46-47 diz: “Diariamente, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus por tudo e sendo estimados por todo o povo. E, assim, a cada dia o Senhor juntava à comunidade as pessoas que iam sendo salvas”. Elementos como a perseverança, a Ceia do Senhor, comunhão, alegria, louvor e evangelismo são mencionados aqui.
A vida do Corpo de Cristo era praticada dentro das células. Para eles, a participação nas casas era a vida cristã – era a Igreja. Não havia como ser capaz de escolher entre as reuniões domésticas e outros papéis eclesiásticos. Da mesma forma, hoje a vida da igreja precisa retornar ao ministério “de casa em casa” para ser plenamente bíblica e praticar a plenitude da vida cristã. 

jueves, 19 de octubre de 2017

LA FAMILIA DEL LÍDER

La obra del ministerio es una tarea que se asume para toda la vida. Son muy escazas las personas que, en algún punto de sus vidas, deciden cesar de compartir el evangelio. Consecuentemente, la tarea de ser líder de célula es una labor a largo plazo, de toda la vida. Es una maratón que comenzó el día de la conversión y que no cesará hasta el final de la vida física. Consecuentemente, no puede considerarse como un esfuerzo extraordinario en el que se invierte toda la fuerza en un solo golpe para luego quedar exhausto y sin fuerzas.

Se trata de ir ganando terreno paso a paso, afirmar lo ganado para luego dar un nuevo paso. Para ello, se deben reunir las condiciones de fuerza que hagan posible la conquista paulatina. Toda acumulación de fuerzas resulta indispensable. No puede el líder pensar que solo se trata de una temporada en que puede relegar el cultivar una relación significativa con su familia a la espera de tiempos más tranquilos. Esos momentos nunca llegarán, razón por la que se debe desarrollar la disciplina para combinar ambos elementos. Después de todo, también el cristiano está haciendo la obra del ministerio cuando cultiva una comunicación de fondo con su familia.

Esto implica distribuir el tiempo sabiamente de manera que haya espacio para la familia tanto como para la obra de Dios. Estos no son aspectos excluyentes sino que complementarios. La obra de Dios avanza cuando la familia avanza. Son crecimientos que se estimulan el uno al otro. Pero, cuando la familia resulta afectada por el ministerio, se ha perdido el sabio equilibrio que se debe cuidar. Es la hora de hacer un alto y reconsiderar las prioridades. De otra manera, no se llegará muy lejos en ningún sentido.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The leader's family.
The work of the ministry is a task that is assumed for life. People who, at some point in their lives, decide to stop sharing the gospel are very scarce. Therefore, the task of being a cell leader is a long-term, lifelong task. It is a marathon that started on the day of conversion which will not cease until the end of physical life. Therefore, it cannot be considered as an extraordinary effort in which the whole strength is invested in one single blow to end up exhausted and without strength.

It is a question of gaining ground step by step, affirming what has been gained to take later on a new step. For that, the conditions of strength that make the gradual conquest possible must be met. Any accumulation of strength is indispensable. The leader cannot think that it is only a season in which he can relegate cultivating a meaningful relationship with his family while waiting for calmer times. Those moments will never come, which is why discipline must be developed to combine both elements. After all, the Christian is also doing the work of the ministry when he cultivates a deep communication with his family.

This means distributing time wisely so that there is space for the family as much as for the work of God. These are not excluding but complementary aspects. The work of God advances as the family advances. These are growths that stimulate one another. But when the family is affected by the ministry, the wise balance that has to be taken care of has been neglected. It's time to stop and reconsider priorities. Otherwise, you will not get very far in any sense.



TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS 

A família do líder.
O Ministério é um trabalho vitalício. As pessoas que, em algum momento de suas vidas, decidem parar de compartilhar o Evangelho, são raras. Do mesmo jeito, a liderança celular é uma tarefa de longo prazo, ao longo da vida. É uma maratona que começou no dia da conversão e não cessará até o final desta vida física. Liderar uma célula não deve ser considerada uma tarefa extraordinária. É uma questão de ganhar terreno passo a passo, afirmando o que foi adquirido e depois dar o próximo passo.
Priorizar a família também é um chamado para toda a vida. O líder não deve pensar que construir sua família é apenas por uma temporada ou deve esperar por momentos mais calmos. Estes momentos nunca virão, razão pela qual a disciplina deve ser desenvolvida para combinar os dois elementos – fazer o trabalho do ministério e cultivar a comunicação com a família.
Como isso acontece? Isso significa distribuir o tempo sabiamente para que haja tempo para a família e o ministério. A família e o ministério devem se complementar. O trabalho de Deus avança conforme a família avança. Os dois se estimulam. Mas quando a família é afetada negativamente pelo ministério, é hora de parar e reconsiderar as prioridades. Líderes de células sábias priorizam o tempo com seus cônjuges e famílias e ganham força para ministrar a outros.