jueves, 14 de diciembre de 2017

EL LIDERAZGO COMO ESTILO DE VIDA

El asumir el trabajo celular implica adoptar responsabilidades por parte de los miembros de la iglesia. El trabajo celular es una movilización de todos los creyentes para la obra del ministerio y ésta no es una tarea para un momento o una temporada. Es una vocación para toda la vida. Construir ese estilo de vida no se logra de la noche a la mañana, pero cuando finalmente se alcanza define la manera de ser de las personas para el resto de sus vidas.

Eso ha ocurrido con nuestros líderes quienes, después de trabajar durante años como responsables de célula, tuvieron que salir del país huyendo de la violencia de la guerra o de la de las pandillas. Al llegar a sus ciudades de destino buscaron una iglesia para congregarse. En esas iglesias no pudieron sentirse cómodos pues solo se esperaba de ellos que fueran receptores pasivos del ministerio del pastor. Pero, ellos estaban poseídos por una cultura celular y un estilo de vida cristiano que implicaba dedicarse a la obra del ministerio. Fue así como decidieron quedarse en casa y comenzar una célula. Ésta se multiplicó sucesivamente hasta que dio paso a una nueva iglesia. Así es como nacieron nuestras iglesias filiales en el extranjero.

El cambiar de país podría haber sido la ocasión oportuna para “deshacerse” de sus responsabilidades como líderes. Pero, al contrario, no pudieron vivir sin desempeñar su tarea. La obra del ministerio es su forma de entender el cristianismo y su estilo de vida. Un estilo de vida no se pierde tan fácilmente. Por ello, es importante trabajar por modelar a los creyentes como discípulos que hagan la obra del ministerio tal y como Jesús lo desea.



TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Leadership as a way of life.
Taking on cell work involves adopting responsibilities from church members. Cell work is a mobilization of all believers for the work of the ministry and this is not a task for a time or a season. It is a calling for a lifetime. Building that lifestyle is not achieved overnight, but when it is finally achieved it defines the way of being of people for the rest of their lives.

This has happened to our leaders who, after working for years as cells overseers, had to leave the country fleeing from the violence of the war or the gangs. When they reached their destination cities they sought a church to congregate. In these churches they could not feel comfortable because they were only expected to be passive recipients of the pastor's ministry. But, they were possessed by a cell culture and a Christian lifestyle that involved dedicating themselves to the work of the ministry. That's how they decided to stay home and start a cell. This cell multiplied successively until it gave way to a new church; this is how our branch churches were born abroad.

Changing countries could have been the opportune occasion to “get rid” of their responsibilities as leaders. But, on the contrary, they could not live without performing their task. The work of the ministry is their way of understanding Christianity and their way of life. You don’t lose a lifestyle so easily. Therefore, it is important to work to model believers as disciples who do the work of the ministry as Jesus desires.



TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Liderança como estilo de vida.
O ministério celular exige o envolvimento dos membros da igreja. Ele é uma mobilização de todos os crentes para o trabalho do ministério e isso não é apenas por uma época ou uma temporada. É um chamado para a vida toda. Construir esse estilo de vida não é alcançado durante a noite, mas quando finalmente é alcançado, define o modo de vida das pessoas para o resto de suas vidas.
Isso aconteceu com nossos líderes que, depois de trabalhar há anos como supervisores de células, tiveram que deixar o país devido à violência da guerra ou das gangues. Quando chegaram às cidades de destino, buscaram uma igreja para congregar. Mas as que encontraram tinham uma visão diferente, e eles não podiam sentir-se confortáveis ??porque só se esperava que fossem receptores passivos do ministério do pastor. Eles eram possuídos por uma cultura celular e um estilo de vida cristão que envolveu se dedicar ao trabalho do ministério. Muitos deles decidiram ficar em casa e começar uma célula. Suas células se multiplicaram sucessivamente até dar lugar a uma nova igreja; É assim que nossas igrejas filiais nasceram no exterior.
Mudar de país poderia ter sido a ocasião oportuna para “se livrar” de suas responsabilidades como líderes. Mas, pelo contrário, não podiam viver sem estarem envolvidos no ministério celular. O trabalho do ministério é o modo de entender o cristianismo e seu estilo de vida. Você não perde um estilo de vida tão facilmente. Portanto, é importante ajudar os fiéis a se tornarem discípulos de Jesus Cristo, que fazem o trabalho do ministério conforme Jesus deseja.

jueves, 30 de noviembre de 2017

LA PERSISTENCIA PARA ALCANZAR RESULTADOS

Buena parte de las personas que comienzan a trabajar con el sistema celular lo hacen porque esperan que sus iglesias crezcan en número. Cuando eso no se produce piensan que el sistema no funciona y buscan otras alternativas o nuevos modelos. Pero, el sentido principal del trabajo celular no es el crecimiento en sí mismo. El propósito esencial es la movilización de los creyentes para que ejerciten su sacerdocio universal, se edifiquen unos a otros, evangelicen y desarrollen sus dones particulares.

La perseverancia entonces, es determinada de acuerdo a las expectativas que se posean. Las personas continuarán perseverando en la medida que perciban que los creyentes crecen en calidad de vida espiritual aun cuando el crecimiento en número no se produzca. Es mucho mejor tener la misma cantidad de personas pero que maduran y profundizan su fe que tener muchos creyentes con una espiritualidad superficial.

Por supuesto que no se trata de escoger entre una y otra cosa. Estoy convencido que toda iglesia que trabaja a conciencia el sistema celular tendrá un desarrollo espiritual de sus miembros significativo y, además, crecerá numéricamente de manera inevitable. Es casi imposible que una iglesia celular sana no crezca. Pero, a cada uno, como Dios desea. No todos se convertirán en mega iglesias. Cuando se disfruta la vida celular en comunidad el número dejará de ser ambicionado. La madurez espiritual tomará su lugar. La persistencia es necesaria para alcanzar resultados. Pero ¿qué resultados son los que esperas? ¿Los numéricos o los de discipulado? Esa es la pregunta fundamental que definirá tu perseverancia.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The persistence to achieve results 
Many of the people who start working with the cell system do so because they expect their churches to grow in numbers. When that does not happen, they think that the system does not work and look for other alternatives or new models. But, the main meaning of cell work is not growth in itself. The essential purpose is the mobilization of believers to exercise their universal priesthood, to edify one another, to evangelize and to develop their particular gifts.

Perseverance, then, is determined according to the expectations that are possessed. People will continue to persevere to the extent that they perceive that believers grow in quality of spiritual life even when numerical growth in numbers does not happen. It is much better to have the same number of people who mature and deepen their faith than to have many believers with a superficial spirituality.

Of course, it is not about choosing one thing or another. I am convinced that every church that conscientiously works the cell system will have a significant spiritual development of their members and will also inevitably grow in number. It is almost impossible for a healthy cell church not to grow. But, to each one, as God wishes. Not all will become mega churches. When you enjoy cell life in community the number will no longer be coveted. Spiritual maturity will take its place. Persistence is necessary to achieve results. But what results do you expect? Numerical or of discipleship? That is the fundamental question that will define your perseverance.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Qual é a motivação correta para a persistência?
Muitas das pessoas que começam a trabalhar com o sistema celular fazem isso porque esperam que suas igrejas cresçam em números. Quando isso não acontece, elas pensam que o sistema não funciona e buscam outras alternativas ou novos modelos. Contudo, o principal motivo para o ministério celular não é o crescimento. O propósito essencial é a mobilização dos crentes para exercer seu sacerdócio universal, edificar uns aos outros, evangelizar e desenvolver seus dons particulares.
A perseverança é motivada pelas expectativas. Quando o pastor tem a motivação correta, ele continuará a perseverar enquanto perceber que os crentes estão crescendo na qualidade de suas vidas espirituais, mesmo quando o crescimento numérico não acontece. É muito melhor ter o mesmo número de pessoas que amadurecem e aprofundam a fé do que ter muitos crentes com uma espiritualidade superficial.
Claro, não se trata de escolher uma coisa ou outra. Estou convencido de que toda igreja que desenvolve conscientemente o sistema celular terá um desenvolvimento espiritual significativo de seus membros e também inevitavelmente crescerá em número. É quase impossível que uma igreja celular saudável não cresça. Mas Deus deve trazer o crescimento e ele é soberano. Nem toda igreja se tornará uma mega igreja. Quando o pastor começa a ver as pessoas que desfrutam de comunidade através da vida celular, a preocupação com números desaparecerá. A maturidade espiritual ocupará seu lugar. Embora a persistência seja necessária para obter resultados, a questão importante é quais são os resultados esperados? Números ou discipulado? Essa é a questão fundamental que vai definir a sua perseverança. 

jueves, 23 de noviembre de 2017

¿QUÉ TAN EXTENSA PUEDE SER LA TRANSICIÓN?

La iglesia cristiana nació con una práctica muy intensa de servirse los unos a los otros. Existen más de cincuenta pasajes en el Nuevo Testamento que hablan de que los creyentes se ministraban los unos a los otros. Eso ocurrió porque el modelo de sacerdocio de la ley fue roto para hacer de todo creyente un sacerdote. Esa vivencia la experimentan en mayor o menor medida las iglesias actuales dependiendo de sus tradiciones, prácticas y conceptos teológicos. Esas características son las que determinan la facilidad o la dificultad con la que cada una de ellas harán su transición al modelo celular.

La dificultad de una iglesia para completar su transición es proporcional al nivel de involucramiento histórico de sus miembros en el ministerio. A menor involucramiento mayor dificultad para la transición. A la inversa, a mayor involucramiento menor dificultad para hacer la transición. Una iglesia donde históricamente los miembros se han limitado a ser oyentes pasivos, consumidores de servicios religiosos, debe comenzar por desarrollar una enseñanza prolongada del modelo de iglesia del Nuevo Testamento. Dependiendo del carisma y el liderazgo del pastor ese tiempo podría prolongarse o reducirse. Esto puede suponer entre tres a diez años.

En el caso de Elim la transición se produjo en un par de meses. Eso se debió a dos grandes elementos. Primero, la alta participación que los miembros tenían en el evangelismo. Las personas ardían de pasión por tener una parte activa en el servicio a Dios. Segundo, el fuerte liderazgo de su pastor fundador. Que era muy inspirador, influyente y muy orientado hacia la movilización de todos los creyentes. Esos factores permitieron una transición rápida y efectiva. Pero, no hay dos iglesias iguales. Cada una debe hacer un examen muy honesto de sus características para poder realizar una transición adecuada a sus particularidades únicas.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

How extensive can the transition be?
The Christian church was born with a very intense practice of serving one another. There are more than fifty passages in the New Testament that speak of believers ministering to one another. That happened because the priesthood model of the law was broken to make a priest out of every believer. That experience is lived out to a greater or lesser extent by the current churches depending on their traditions, practices and theological concepts. Those characteristics are what determine the ease or difficulty with which each of them will make their transition to the cell model.

The difficulty of a church to complete its transition is proportional to the level of historical involvement of its members in the ministry; the lesser the involvement, the more difficult the transition, conversely, the greater the involvement, the less difficulty in making the transition. A church where historically members have been limited to being passive listeners, consumers of religious services, must begin by developing a long-term teaching of the New Testament church model. Depending on the charisma and leadership of the Pastor that time could be prolonged or reduced. This can take three to ten years.

In the case of Elim the transition took place in a couple of months. That was due to two major elements: First, the high participation that the members had in evangelism. People burned with passion to have an active part in the service to God. Second, the strong leadership of its founding Pastor. Who was very inspiring, influential and very oriented towards the mobilization of all believers. Those factors allowed for a rapid and effective transition. But, there aren’t two churches alike. Each one must make a very honest examination of its characteristics in order to make a proper transition to its unique particularities.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Quão extensa pode ser a transição?
A Igreja cristã nasceu com uma prática muito intensa de servir uns aos outros. Há mais de cinquenta passagens no Novo Testamento que falam dos convertidos ministrando uns aos outros. Isso aconteceu porque o modelo do sacerdócio da Lei foi quebrado para tornar cada crente um sacerdote. O “sacerdócio de todos os crentes” é vivido em maior ou menor grau pelas igrejas, dependendo de suas tradições, práticas e conceitos teológicos. Essas tradições e práticas são as que determinam a facilidade ou a dificuldade com que cada uma delas irá fazer a transição para o modelo celular.
A dificuldade de uma igreja para completar sua transição é proporcional ao nível de envolvimento histórico de seus membros no ministério; quanto menor o envolvimento, mais difícil é a transição. Por outro lado, quanto maior o envolvimento, menos dificuldade terão em fazer a transição. Algumas igrejas devem começar muito lentamente através de extensos ensinamentos sobre os princípios do Novo Testamento, porque os membros foram limitados a serem ouvintes passivos e consumidores de serviços religiosos. Dependendo do carisma e liderança do Pastor, esse tempo pode ser prolongado ou reduzido. A transição nessas igrejas pode levar de três a dez anos.

No caso da Igreja Elim, a transição ocorreu em alguns meses. Isso foi devido a dois elementos principais: primeiro, a alta participação que os membros tiveram no evangelismo. As pessoas queimaram com paixão por terem uma parte ativa no serviço a Deus. Em segundo lugar, a forte liderança de seu pastor fundador, que foi muito inspirador, influente e muito orientado para a mobilização de todos os crentes. Esses fatores permitiram uma transição rápida e efetiva. Mas não há duas igrejas iguais. Cada uma deve fazer um exame muito honesto de sua história e cultura, a fim de fazer uma transição adequada de acordo com suas particularidades únicas.

jueves, 16 de noviembre de 2017

BENEFICIOS DE UNA DEFINICIÓN DE CÉLULA

Desde hace años en Elim adoptamos la definición de célula que tantas veces le he escuchado a Joel Comiskey: “Una célula es un grupo de 3 a 15 personas que se reúnen semanalmente fuera del edificio de la iglesia con el propósito de evangelizar, confraternizar y edificarse y que están comprometidos con las funciones de la iglesia local y que hacen discípulos que generan a otros discípulos con la meta de multiplicarse.” Esta definición es bastante integral y nos ha servido para tomar decisiones en diferentes momentos de nuestro trabajo.

Como otras veces lo he explicado, aprendimos el trabajo celular de los primeros libros del pastor Cho que fueron traducidos al español. Uno de ellos se llamaba “Los grupos familiares y el crecimiento de la iglesia”. De ese título adoptamos el nombre de “grupos familiares” para referirnos a las células. Eso creó una relación mental entre las familias y las pequeñas reuniones. Se instaló en nuestro cerebro la idea de que para que existiera una célula se necesitaba una casa. Nos resistíamos a la idea de llamar célula a un grupo de estudiantes que no se reunían en una casa sino que en la escuela o la universidad.

Con el paso del tiempo y, al adoptar la definición de célula, una y otra vez volvía la pregunta sobre si las reuniones de estudiantes eran o no células por no realizarse en una casa. En ese punto es que nos fue útil el poseer una definición. Los estudiantes eran un grupo de entre 3 a 15 personas que se reunían semanalmente muy lejos de edificio de la iglesia, en las escuelas y universidades. Lo hacían con el propósito de evangelizar, confraternizar y edificarse. Estaban comprometidos con la iglesia local y hacían discípulos que generaban a otros discípulos. Es decir, cumplían todas las condiciones de una célula.

Este es un ejemplo sencillo de cómo el poseer una clara definición de célula puede ayudarnos en momentos cuando surgen dudas sobre el trabajo.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Benefits of a cell definition.
Since years ago, in Elim we adopted the definition of a cell that I have so often heard from Joel Comiskey: “A cell is a group of 3 to 15 people who meet weekly outside the church building for the purpose of evangelizing, fraternizing and edifying and who are committed to the functions of the local church and who make disciples who make other disciples with the goal of multiplication.” This definition is quite integral and has served to make decisions at different times of our work.

As I have explained at other times, we learned about the cell work from the first books of Pastor Cho that were translated into Spanish. One of them was called “Family Groups and Church Growth.” From that title, we adopted the name of “family groups” to refer to cells. That created a mental relationship between families and small meetings. It was installed in our brain the idea that a house was needed in order for a cell to exist. We resisted the idea of ​​calling a group of students who did not meet in a house but at school or university a cell.

Over time, and by adopting the definition of cell, again and again the question was raised as to whether or not student meetings were cells because they did not take place in a house. At that point, it became useful to have a definition. The students were a group of 3 to 15 people who met weekly very far from the church building, in schools and universities. They did it with the purpose of evangelizing, fraternizing and edifying each other. They were engaged with the local church and made disciples who made other disciples. That is, they fulfilled all the conditions of a cell.

This is a simple example of how having a clear cell definition can help us at times when questions about work arise.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Benefícios de uma definição de célula.
Há alguns anos, a Igreja Elim adotou a definição de célula que sempre ouvi Joel Comiskey falar: “Uma célula é um grupo de 3 a 15 pessoas que se encontram semanalmente fora do prédio da igreja com a finalidade de evangelizar, construir comunidade e edificação, comprometidas com as funções da igreja local e que fazem discípulos que fazem outros discípulos com o objetivo de multiplicação”. Esta definição é bastante integral e serviu para tomar decisões em momentos diferentes em nosso trabalho.
Como expliquei em outras ocasiões, aprendemos sobre o trabalho celular com os primeiros livros do Pastor Cho que foram traduzidos para o espanhol. Um deles foi chamado de “Grupos Familiares e Crescimento da Igreja” (tradução livre). A partir desse título, adotamos o nome de “grupos familiares” para nos referirmos a células. Isso criou uma relação mental entre famílias e pequenas reuniões. Foi instalada em nossos cérebros a ideia de que uma casa era necessária para que uma célula existisse. Resistimos à ideia de chamar um grupo de alunos que não se reuniam em uma casa, mas na escola ou na universidade, de célula.
Ao longo do tempo, ao adotar a definição de célula, várias e várias vezes foi levantada a questão sobre se as reuniões de estudantes eram ou não células porque não aconteciam em uma casa. Nesse ponto, tornou-se útil ter uma definição. Os estudantes eram um grupo de 3 a 15 pessoas que se encontravam semanalmente, muito longe do prédio da igreja, nas escolas e universidades. Eles faziam isso com o propósito de evangelizar, construir comunidade e se edificar mutuamente. Eles estavam envolvidos com a igreja local e faziam discípulos que faziam outros discípulos. Ou seja, eles preenchiam todas as condições de uma célula.

Este é um exemplo simples de como ter uma definição de célula clara pode nos ajudar em momentos em que os questionamentos surgem.