jueves, 6 de noviembre de 2014

EL VERANO ANGLOSAJÓN Y LA CORTA DE CAFÉ.

En un país del Tercer Mundo como lo es El Salvador, no existe un fenómeno parecido al del verano de los país desarrollados. No obstante, cuando llegué a la ciudad de Santa Ana para iniciar una iglesia Elim en 1980, el país tenía todavía una economía que se basaba principalmente en la exportación del café.
Santa Ana es una ciudad cercana a las grandes montañas y volcanes del país. El café es una planta que produce fruto de mejor calidad en las regiones altas. Por ello es que el mejor café es llamado “café de altura”. Porque es en las alturas donde alcanza su mejor punto.
Al llegar a esa ciudad me encontré con un fenómeno que en San Salvador, la capital, era desconocido. Se trataba del período de “corte”. Es decir de cortar el café de la planta. Es una tarea que demanda mucha mano de obra y que se paga de acuerdo a la producción. A mayor peso de semilla cortada mayores ingresos. La combinación de estos elementos provocaba el fenómeno de los “cortes” en donde las personas abandonaban la ciudad para ir a las montañas a cortar el café. Dado que la jornada comenzaba a las 4 AM era imposible volver a la ciudad cada día. De manera que las personas migraban a las montañas durante los meses de noviembre, diciembre y enero.
Durante esos meses la iglesia quedaba desolada. Para muchas familias ese sería el ingreso con el cual sobrevivirían el resto del año. Era la oportunidad de comprar zapatos y libros a los niños que iban a la escuela y de hacerse de alimentos. Por el contrario, la iglesia casi quebraba debido a la ausencia de los hermanos y solamente se quedaban los que tenían otro tipo de trabajo en la ciudad. Que eran muy pocos.
Cuando hicimos la transición al modelo celular ya sabíamos del fenómeno y temíamos que se quebrara la columna del trabajo celular por una ausencia tan prolonga de los hermanos. De manera que tuvimos que ser creativos para que la dificultad se volviera una oportunidad. Aunque es muy diferente la realidad del verano en el hemisferio norte al período de corte del café en El Salvador, existe cierto paralelismo que nos puede ayudar a sacar conclusiones comunes. De eso hablaremos en las siguientes semanas.



TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The Anglo-Saxon Summer and the Coffee Harvest.

There is not such a phenomenon as the summer of the developed countries in a third-world country as El Salvador. However, when I arrived to Santa Ana city to found a church from Elim in 1980, the country was based mainly on a coffee-export economy.
Santa Ana is a city close to mountains and volcanoes and coffee is a plant which its best fruit is produced at the highest lands. The best coffee is called "highland coffee" or "café de altura" in Spanish. This, because it is in the high lands where coffee reaches its gourmet point.
When I arrived to this city, I found a phenomenon not known at the urban capital of the country, San Salvador. This was, the harvest time or "tiempo de la corta" as it is known in the country, which consists in taking the fruit from the plant. This task demands a lot of labor and it's paid in accordance to the production: Higher the weight of the bag containing the fruit, cut from the plant, higher the income to the collector. The combination of these elements provoked the phenomenon of "the harvest" or "la corta" in Spanish, where cities were abandoned for the people in order they could go to the mountains to collect the coffee crop. Since the working day began at 4 am, it was impossible to come back to the city. In such a way, people migrated to the mountains during the months of November, December and January.

During these months, the church remained desolate. To many families, this would be the income to survive the rest of the year. It was the opportunity to buy shoes and books to the children who attend school, it was also the opportunity to buy food.

On the contrary, the church was near bankruptcy because of the brethren absence. The only ones who stayed were the ones who had another kind of job, there were just a few.

When we made the transition to the cell model, we know about the phenomenon. We were afraid that the back bone of the cell system would be broken for such a long absence of the brethren.

So, we have to be creative to transform a problem into an opportunity. Even though the northern-hemisphere reality in the summer is quite different from the harvest period in El Salvador, there is certain parallelism which could help us to establish common conclusions. About that, we'll talk in the following weeks.



TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS


O verão anglo-saxônico e a colheita de café.
Nós de El Salvador não temos um “verão” tradicional como aqueles de países desenvolvidos. No entanto, quando eu cheguei na cidade de Santa Ana para iniciar uma Igreja Elim em 1980, o pais era baseado principalmente na economia de exportação de café. Santa Ana é uma cidade próxima às montanhas e vulcões onde o café cresce da melhor forma. O melhor café é chamado “highland coffee” ou “café de altura” em Espanhol. É nas grandes alturas que o café alcança seu ponto gourmet.
Quando eu cheguei na cidade, eu encontrei um fenômeno não conhecido para nós que estávamos acostumados à vida urbana de San Salvador, a capital de El Salvador. Estou me referindo ao tempo de colheita ou “tempo de la corta” como é conhecido no país. Esse é o momento em que os colhedores pegam o fruto da planta do café. Essa tarefa exige muito trabalho e as pessoas são pagas de acordo com a produção: quanto maior o peso do saco contendo o fruto, maior é a renda para o coletor. A combinação desses elementos provocou o fenômeno “da colheita” ou “la corta”, em espanhol. O tempo da colheita era tão importante que aldeias e cidades inteiras eram esvaziadas para que as pessoas pudessem coletar a safra de café. O dia de trabalho começava às 4h da manhã, e por isso era impossível voltar para sua própria cidade.
Durante os meses de novembro, dezembro e janeiro, as pessoas migravam para as montanhas até que a colheita estivesse completa.
Durante esses meses, a igreja permanecia vazia. Muitas famílias dependiam da renda da safra de café para sobreviver pelo restante do ano. Era a oportunidade deles de comprar sapatos e livros, para que seus filhos pudessem frequentar a escola. Era também a oportunidade de comprar comida. Em contrapartida, nossa própria igreja estava perto da falência por causa da falta de irmãos. Os únicos que permaneciam eram os que possuiam um outro tipo de trabalho, e esses eram apenas alguns.
Quando fizemos a transição para o modelo celular, nós sabíamos sobre o fenômeno. Tínhamos medo de que a espinha dorsal do sistema celular estivesse quebrada depois de tanto tempo de ausência de irmãos. Então, nós tivemos de ser criativos para transformar um problema numa oportunidade. Apesar de a realidade do hemisfério norte no verão ser bastante diferente do período de colheita em El Salvador, há um certo paralelismo que poderia nos ajudar a estabelecer conclusões comuns. E nas próximas semanas, falaremos sobre isso.