jueves, 19 de septiembre de 2013

UNIENDO EL TRABAJO DEL EDIFICIO CON EL DE LAS CASAS.


Cada vez que me preguntan cuántas personas asisten al edificio de nuestra iglesia, debo tomar un momento para calcular y sacar un aproximado de ese número. Pero si me preguntan cuántas personas asisten a nuestras células puedo decir con bastante exactitud ese número. Lo mismo ocurre si me preguntan por el número de líderes o de supervisores.
La razón de ello es que al adoptar el modelo celular, hace 27 años, la motivación principal era la de alcanzar a muchas más personas con el evangelio de Jesús. Eso, solamente lo lograríamos si todos los miembros de la iglesia se comprometían activamente en el cumplimiento de la gran comisión. De manera que nos enfocamos en evaluar los resultados de cada semana confrontándolos con la meta propuesta. De esa manera, se originaron los reportes semanales que dan información detallada sobre las células.
No obstante, nunca nos preocupó el número de personas que asisten al edificio de la iglesia. Obviamente, parte de la falta de preocupación era que al estar ligadas las células con la vida de la iglesia, los líderes traían sus invitados y amigos a la gran celebración. La reunión en el edificio de la iglesia sigue la norma de que en la medida que crece la cantidad de líderes, crece la asistencia a la celebración. La reunión en el edificio es solamente el signo visible de lo que ocurre durante la semana en las pequeñas reuniones en las casas.
De manera, que el énfasis siempre ha sido el trabajo en las casas. La gran reunión en el edificio es la cosecha de la semilla que se sembró en las casas. Las conversiones en su mayor parte, son de personas que antes han escuchado las buenas nuevas en las casas. Al llegar a la celebración, las personas ya llegan bastante sensibilizadas. El mérito por las personas que creen no es solamente del predicador sino de todo el equipo celular que trabaja cada semana por alcanzar a otros para Jesús.


TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Joining the work of the building with the work in the houses.
Every time I’m asked about how many people attend our church building, I have to take a moment to calculate and draw an estimate of that number. But if I am asked about how many people attend our cells I can say that number with some accuracy. The same happens if I’m asked about the number of leaders or coaches.
This is because when adopting the cell model 27 years ago, the main motivation was to reach many more people with the gospel of Jesus. We would make that happen only if all of the church members would actively commit in fulfilling the Great Commission. So we focused on evaluating the results of each week confronting them with the proposed goal. The weekly reports that give detailed information about the cells were originated in that way.
However, we never worried about the number of people attending the church building. Obviously, part of the lack of concern was due to the fact that since the cells were linked with the life of the church, the leaders brought their guests and friends to the celebration. The meeting at the church building follows this rule: as the number of leaders grows, the attendance to the celebration grows. The meeting in the building is only the visible sign of what happens during the week in small house meetings.
Thus, the emphasis has always been the work in the houses. The big meeting in the building is the harvest of the seed that was planted in the houses. The conversions for the most part, are from people who have previously heard the good news at the houses. When people come to the celebration, they come already quite sensitized. The credit for the people who believe it is not only for the preacher but for the entire cell team that works each week to reach others for Jesus.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

A igreja orientada por células.

Toda vez que me perguntam quantas pessoas participam em nossas reuniões, tenho que ter um tempo para calcular e dar uma estimativa do número. No entanto, se sou perguntado acerca de quantas pessoas participam nas nossas células, posso dar uma resposta imediata. A mesma coisa acontece se sou questionado sobre o número dos líderes ou discipuladores.
Isso ocorre porque ao adotarmos o modelo de células há 27 anos, a principal motivação foi alcançar muito mais pessoas com o evangelho de Jesus Cristo. Nós percebemos que não atingiríamos nosso objetivo, a não ser que tivéssemos todos os membros da igreja ativamente comprometidos em cumprir a Grande Comissão. Como fizemos isso? Avaliando os relatórios semanais do evangelismo da célula e da multiplicação. Por meio dos relatórios, podíamos identificar se estávamos cumprindo o nosso objetivo de alcançar San Salvador com as células.
No entanto, nunca estivemos preocupados com o número de pessoas que frequentavam o prédio da igreja. Parte de nossa falta de preocupação residia no fato de que as células estavam intimamente conectadas com a vida da igreja, e os líderes naturalmente traziam seus convidados e amigos para a celebração. A frequência na celebração segue essa regra: à medida que o número de líderes cresce, a participação nos cultos de celebração também cresce. Na realidade, a reunião no prédio é apenas um sinal visível do que acontece durante a semana nas pequenas reuniões nas casas.
Assim, a ênfase sempre foi o ministério das células. As grandes reuniões são a colheita do que foi plantado nas casas. Até mesmo nossas conversões nas grandes reuniões são principalmente de pessoas que primeiro ouviram as boas novas nas casas. Quando as pessoas vêm às celebrações, elas já vêm sensibilizadas pelo evangelho. Nós em Elim percebemos que a colheita que temos experimentado não é o trabalho de um pregador apenas, mas o trabalho de uma multidão de ministros por meio do ministério das células.