jueves, 23 de junio de 2016

EQUILIBRIO ENTRE CELEBRACIÓN Y CÉLULAS.

Las iglesias celulares tienen la característica de enfatizar tanto la reunión grande (celebración) y las reuniones pequeñas (células). Ambas son la iglesia. Ninguna tiene mayor relevancia que la otra. Por razones históricas y de tradición, nos inclinamos a reconocer como iglesia a la celebración; por elementos tales como el edificio, la liturgia, la cantidad de personas, etc. No obstante, la célula posee los mismos elementos que la celebración: oración, alabanza, enseñanza, comunión, evangelismo, edificación.
¿Cómo podemos saber que las personas que asisten a la celebración son las que vienen de las células? La pregunta tiene sentido si lo que ocurre es que la cantidad de personas que asisten a la celebración es mayor que las que asisten a las células. No obstante, en una iglesia con la cultura celular ya establecida las cosas se invierten. En el caso de Iglesia Elim, por ejemplo, es mucho mayor la cantidad de personas que asisten a las células que las que asisten a la celebración. Aproximadamente el 50%. En el caso de la iglesia del pastor Cho, aproximadamente el 30%
Por otra parte, las personas asisten a Elim de una manera organizada. Cada líder se une con otros de su sector para contratar un autobús y llevar a los hermanos e invitados a la celebración. Muy pocas personas asistirían de su propia iniciativa a la celebración si no fuera por esa organización de los líderes para la movilización hacia el edificio de la iglesia. ¿No representa esto un peligro para que las personas pierdan el interés de ir al edificio y decidan quedarse en las casas? Allí es donde el realizar la celebración con excelencia permite que las personas se sientan altamente motivadas a asistir. Ese equilibrio entre las dos alas de la iglesia produce un modelo celular saludable.



TRADUCCIÓN AL INGLÉS

Balance between celebration and cells.
As a characteristic cell churches emphasize both the large meeting (celebration) and the small meetings (cells). These both are the church. None is more important than the other. For historical and traditional reasons, we are inclined to recognize the celebration as the church; for elements such as the building, the liturgy, the number of people, etc. However, the cell has the same elements as the celebration: prayer, worship, teaching, fellowship, evangelism, edification.
How do we know that the people attending the celebration are the ones that come from the cells? The question makes sense if what happens is that the number of people attending the celebration is more than the one attending the cells. However, in a church with an established cell culture things are inverted. In the case of Elim Church, for example, the number of people attending the cells is much greater than the one attending the celebration. Approximately 50%. In the case of Pastor Cho’s church, approximately 30%
Moreover, people attend Elim in an organized manner. Each leader joins with others in his sector to hire a bus and bring the brethren and guests to the celebration. Very few people would attend on their own initiative to the celebration if it were not for that organization of the leaders to take them to the church building. Doesn’t this represent a danger for people to lose interest in going to the building and decide to stay in their houses? This is why doing the celebration with excellence will allow people to feel highly motivated to attend. That balance between the two wings of the church produces a healthy cell model.


TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

Equilíbrio entre o culto de celebração e as células.
Igrejas em células enfatizam tanto a grande reunião (culto de celebração) como também as pequenas reuniões (células). Ambos, célula e culto de celebração, são a igreja. Um não é mais importante que o outro.
Por razões históricas e tradicionais, nós estamos inclinados a reconhecer o culto de celebração como a igreja. Por quê? Talvez seja porque o culto de celebração acontece em um prédio especial, segue uma liturgia, e tem mais pessoas. Entretanto, a célula possui os mesmos elementos que o culto de celebração: oração, adoração, ensino, comunhão, evangelismo, edificação.
No caso da Igreja Elim, por exemplo, o número de pessoas que participam das células é muito maior que o número de pessoas que frequentam o culto de celebração. Aproximadamente 50% a mais de pessoas frequentam só a célula do que o culto de celebração. No caso da igreja do pastor Cho, aproximadamente 30% das pessoas frequentam mais a célula do que o culto de celebração.
Além disso, as pessoas frequentam a Igreja Elim de uma maneira organizada. Cada líder se une com outras pessoas do seu setor para contratar um ônibus para buscar os irmãos e os convidados para o culto de celebração. Pouquíssimas pessoas iriam participar, por iniciativa própria, do culto de celebração se não fosse pela organização dos líderes para levá-los até o prédio da igreja.
Mas isso não representa o perigo de que as pessoas percam o interesse em ir ao prédio da igreja e decidam ficar em suas casas? É por isso que fazer o culto de celebração com excelência permitirá que as pessoas se sintam muito mais motivadas a participar. O equilíbrio entre as duas asas da igreja produz um modelo celular saudável.